Zika: como usar a internet para desmentir boatos na internet

Janeiro/2016

Marina Lemle | Blog de HCS-Manguinhos

Para apoiar professores a tratarem do tema zika/microcefalia em sala de aula, o biólogo Atila Iamarino e a professora Sonia Lopes, do Instituto de Biologia da USP, criaram um site com sugestões de atividades para estimular os alunos a buscarem na internet conteúdo científico que os capacite a desmentir boatos. O site foi abastecido com conteúdo preparado por alunos da disciplina Internet no Ensino de Ciências e Biologia – uma nova optativa do curso de licenciatura em Ciências Biológicas da USP, criada e ministrada por Iamarino e Sonia em dezembro de 2015.

Turma de dezembro de 2015 da disciplina disciplina 'Internet no Ensino de Ciências e Biologia'

Turma de dezembro de 2015 da disciplina ‘Internet no Ensino de Ciências e Biologia’, da USP

Iamarino chegou a se perguntar se não seria redundante passar ferramentas de internet para uma geração que cresceu online e que tem muito mais fluência no ambiente do que ele próprio. “A resposta foi rapidamente não. Por mais que os alunos da licenciatura tivessem familiaridade com internet, não tinham familiaridade com o uso “sério” dela”, atesta.

Ele conta que os alunos – no caso, futuros professores de biologia – ficaram muito engajados na missão de checar boatos e desmenti-los com a própria internet. Chegaram inclusive a fazer com que um vídeo que afirmava que a febre da zika seria causada por vacina vencida fosse retirado do ar.

Para Iamarino, é urgente a discussão sobre o papel ético do professor de preparar os alunos para o uso da internet. Ele ressalta que a educação na internet pode ir muito além dos cursos a distância.

“Enquanto tivermos o ambiente escolar separado do ambiente da internet, enquanto os alunos entenderem que ‘informação séria’ ou ‘informação relevante’ só está no papel ou nos livros, não vão estar preparados para consultar a internet e ler criticamente as fontes de informação para chegar no que precisam. Precisamos romper essa separação e trazer o conteúdo online como parte do material de aula, parte do que pode ser consultado e questionado durante o ensino”, afirma Iamarino no seu blog Rainha Vermelha .

Hospedado na ferramenta Wikiversidade, o site segue a lógica da edição colaborativa wiki: o conteúdo pode ser alterado por qualquer pessoa, mas é constantemente monitorado e revisado por outras.

Acesse o Material de apoio docente para Zika

Saiba mais sobre Educação para Web 

Assista “Brigada” antiboato, debate da turma de Internet no Ensino de Ciências e Biologia com o paleontólogo Paulo Nascimento (dezembro/2015):

Veja também:

Cursos Livres – Zika Vírus para a Escola – Unifesp TV

Leia no blog de HCS-Manguinhos:

 Inovação e perspectivas recentes na história das ciências, sumário do suplemento HCS-Manguinhos que trata de ciberativismo (vol.22, dez. 2015)

Zika para profissionais
Rede de Saúde Global lança site com informações de qualidade voltadas para pesquisadores e profissionais de saúde

Zika e direito ao aborto
Em artigo publicado em O Globo, a socióloga Jacqueline Pitanguy afirma que a interrupção da gravidez como opção de mulheres atingidas pelo vírus não tem sido colocada com a devida relevância

Epidemia de zika remete à rubéola e à discussão sobre aborto como ato médico
Ilana Löwy, pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde e de Pesquisa Médica de Paris, conta como os surtos de rubéola estimularam a descriminalização do aborto na Europa

Governo Federal lança plano de enfrentamento à microcefalia
Grande aumento de casos é atribuído ao vírus zika, transmitido pelo mosquitoAedes aegypti

Internet: alto potencial, baixo custo
Para Atila Iamarino, em tempos de internet, a produção e curadoria de conteúdo passa em parte para os usuários, e os periódicos devem se adaptar.

Você compartilha, eu curto e nós geramos métricas
Atila Iamarino fala sobre periódicos e comunicação científica no blogSciELO em Perspectiva

 

Leave a Reply