Webativismo em São Paulo

Fevereiro/2016

Manifestação em São Paulo em 2013. Foto de Marcelo Camargo/Agência Brasil

Manifestação em São Paulo em 2013. Foto de Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dois artigos neste suplemento de HCS-Manguinhos (vol.22, dez/2015) tratam de webativismo na cidade de São Paulo. Em Democracia digital e experiências de e-participação: webativismo e políticas públicas, Rafael de Paula Aguiar Araújo, Cláudio Luis Camargo Penteado e Marcelo Burgos Pimentel dos Santos avaliam a importância de diferentes estratégias de mobilização empreendidas por organizações sociais e auferem os processos de articulação entre o Estado e a sociedade civil. Aplicando o Índice de Participação Política e Influência, os pesquisadores analisaram experiências de webativismo na capital paulista e concluíram que movimentos e coletivos com maior inventividade e variedade de estratégias em suas ações tiveram melhores desempenhos, sinalizando um novo modo de ação da política contemporânea. No artigo A agenda da multidão e o webativismo na cidade de São Paulo, Rosemary Segurado aborda os resultados de uma pesquisa que analisou 144 perfis do Facebook para verificar o uso das mídias digitais na definição da agenda de ações que estabelecem organização, mobilização e debate sobre questões étnicas, raciais, de gênero e de direito à cidade, entre outras. O estudo detectou que a incorporação de ferramentas digitais na ação política vem proporcionando um conjunto de mudanças nos processos de discussão de temas sociais, políticos e culturais, além de redimensionar as instâncias de formulação e de deliberação, possibilitando a inovação nas formas de participação dos atores. Leia em HCS-Manguinhos: Democracia digital e experiências de e-participação: webativismo e políticas públicas, artigo de Rafael de Paula Aguiar Araújo, Cláudio Luis Camargo Penteado e Marcelo Burgos Pimentel dos Santos A agenda da multidão e o webativismo na cidade de São Paulo, artigo de Rosemary Segurado Inovação e perspectivas recentes na história das ciências (Suplemento sobre ciberativismo de HCS-Manguinhos, vol.22, dez. 2015) Leia no Blog de HCS-Manguinhos: Ciberativismo em pauta em HCS – Manguinhos Coletivo Anonymous é tema de artigo que abre suplemento sobre inovação ‘Crises propiciam mudanças’ André Felipe Cândido da Silva e Marcos Cueto, editores científicos de HCS-Manguinhos, assinam a Carta do suplemento “Inovação e perspectivas recentes na história das ciências” Facebook: nu, não O sociólogo Sérgio Amadeu investigou dez casos de bloqueio ou remoção de postagens pelo Facebook. Leia artigo em HCS-Manguinhos. Anonymous no Brasil Artigo em HCS-Manguinhos discute a atuação da rede de ativismo hacker no país O paciente informado e os saberes médicos: empoderamento e tensão Pesquisadores da Fiocruz estudaram grupos de portadores de diabetes, de hepatite C e de Aids no Facebook Marco Civil da Internet: consulta pública termina em 29 de fevereiro Garantir o princípio da neutralidade, que prevê tratamento igual a informações em texto, vídeo ou áudio, é fundamental para a sociedade, afirma a socióloga Rosemary Segurado. Do outro lado estão as operadoras. Livre, aberta e colaborativa por princípio Com a aprovação, em 23 de abril de 2014, do Marco Civil da Internet (Lei n.12.965), o Brasil assumiu um papel de destaque na agenda de debates sobre o funcionamento da rede mundial de computadores. Um marco para a democracia A cientista política Rosemary Segurado explica o que está em jogo na regulamentação da internet  (entrevista em novembro de 2013)    

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *