Um futuro para além do acesso aberto

Marina Lemle | Blog de HCS-Manguinhos
Fotos de Jeferson Mendonça/COC/Fiocruz

Nisia Trindade Lima, Paulo Elian e Marcos Cueto no workshop em comemoração aos 25 anos da revista HCS-Manguinhos

A ciência aberta vai muito além do acesso aberto, e novos desafios vêm instigando editores de periódicos científicos mundo afora. Para promover o debate sobre temas candentes do periodismo científico, como as publicações em preprint e o impacto das mídias sociais, especificamente no campo das humanidades, a revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos promoveu o workshop “O presente e o futuro das publicações científicas de história”, realizado de 26 a 28 de junho, no Rio de Janeiro. O evento, que contou com a presença de convidados de instituições do Brasil e do exterior, marcou o aniversário de 25 anos do periódico científico da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). 

A presidente da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, prestigiou o evento participando da mesa de abertura, junto com o diretor da COC, Paulo Elian, da vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz, Cristiani Vieira Machado, e do editor-científico de HCS-Manguinhos Marcos Cueto. 

Nisia Trindade Lima, presidente da Fiocruz

Doutora em sociologia, Nísia ingressou na instituição em 1987 como pesquisadora da COC, e dirigiu a unidade de 1999 a 2005. A presidente da Fiocruz destacou o quanto a revista contribui para a produção e a divulgação do conhecimento. “Revistas são indutoras do conhecimento”, enfatizou.

Nisia homenageou os ex-editores Sergio Goes – o primeiro no comando – e Jaime Benchimol, que esteve à frente da revista por quase 20 anos, e lembrou que quem dirigia a Casa quando a revista foi lançada era Paulo Gadelha, ex-presidente da Fiocruz.

“O projeto gerou controvérsias sobre a necessidade de um novo periódico na Fiocruz, mas a revista se firmou como importante publicação da área, sendo inovadora hoje também no uso de redes sociais e uma das iniciativas mais fortes de internacionalização, particularmente no campo da história”, afirmou. Nisia destacou ainda a importância do papel dos atuais editores nesse processo de internacionalização, assim como nas perspectivas da saúde global e da América Latina e na agenda da ciência aberta. “A importância de HCS-Manguinhos para a comunicação científica da Fiocruz vai além do campo da história”, ressaltou.

Paulo Elian, diretor da COC

Cristiani Vieira Machado disse que a revista é admirável em vários sentidos, sendo referência em história da ciência dentro e fora do Brasil. Ela contou que os seus editores sempre contribuem para os debates e trocas de experiências entre os editores dos sete periódicos científicos da Fiocruz.

Paulo Elian ressaltou que a perspectiva multidisciplinar de HCS-Manguinhos a diferencia de outras revistas e afirmou que o seu “gosto saudável do enfrentamento aos desafios do periodismo científico” sempre contou com o apoio da direção da COC. “Parabéns a todos que participaram dessa história por tudo que ela representa para o campo das humanidades”, disse.

Marcos Cueto agradeceu a todos os envolvidos na produção da revista e atribuiu o seu contínuo sucesso à modernização da gestão editorial, à profissionalização da equipe e à sua internacionalização.

Marcos Cueto, editor de HCS-Manguinhos

Cueto espera que a revista possa ajudar a implementar nas ciências humanas a ciência aberta, um movimento que está mudando a produção da ciência, através da adoção de novas políticas editoriais, como a publicação de manuscritos.

“Mais do que nunca, temos a necessidade de resistir criativamente para produzir ciência aberta na adversidade. Precisamos de esperança, otimismo e bom humor. Precisamos de mais história. Precisamos de mais 25 anos”, concluiu.

Em seguida, a plateia formada por colegas ilustres fez colocações para a mesa, e o debate rendeu. 

Nos próximos dias, publicaremos reportagens sobre as mesas realizadas no workshop comemorativo e entrevistas com alguns debatedores. Acompanhe nosso blog!

Como citar este post:

Um futuro para além do acesso aberto. Blog de HCS-Manguinhos. Publicada em 02 de julho de 2019. Acessado em 02 de julho de 2019. Disponível em http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/um-futuro-para-alem-do-acesso-aberto/

Leia mais sobre o workshop no Blog de HCS-Manguinhos:

Ciência aberta em história: como fazer?
Em workshop na Fiocruz, editores de periódicos debateram os desafios do cenário em transformação

A história nas mídias sociais: da citação acadêmica ao diálogo com o público
Bruno Leal, Roberta Cerqueira, Ronaldo Araújo e Germana Barata discutiram o tema na Fiocruz

Revisão por pares: do ‘duplo-cego’ à abertura total
Os prós e contras dos sistemas fechado e aberto de avaliação de artigos em periódicos de história foram discutidos na Fiocruz

Editores de periódicos de história encaram novos desafios
Preocupação com o impacto da ciência aberta nas ciências humanas ficou evidente em workshop na Fiocruz em junho

Abel Packer clama pela “emergência da ciência aberta”
Arauto do acesso aberto no Brasil, o diretor do Programa SciELO agora hasteia a bandeira da ciência aberta, que vai muito além do acesso aberto.

Um futuro para além do acesso aberto
Workshop sobre os desafios das publicações de história comemora os 25 anos de HCS-Manguinhos

Fiocruz e SciELO: determinantes para o sucesso de HCS-Manguinhos
Paulo Gadelha e Jaime Benchimol destacam o papel da revista na construção do campo transdisciplinar da história das ciências e da saúde na comemoração dos seus 25 anos

Pareceres abertos, desde que em comum acordo
Maria Luísa Sousa, editora da revista portuguesa HoST, defende a abertura de relatórios de avaliação de artigos com consentimento mútuo do autor e do parecerista

E no Blog de HCS-Manguinhos internacional…

Desde América Latina y para América Latina
Karina Ramacciotti, de la Universidad Nacional de Quilmes, Argentina, y Stefan Pohl, de la Universidad del Rosario, Colombia, discutieron la evaluación por pares en el taller por los 25 años de HCS-Manguinhos

Nuevas miradas sobre viejos temas
En la sesión sobre modelos de publicación, Pablo Yankelevich, editor de la revista Historia Mexicana habló sobre los temas históricos más estudiados en el país y criticó los índices de evaluación de revistas científicas