Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz, receberá condecoração da França

A Ordre National de la Légion d’Honneur será concedida em reconhecimento à sua atuação no mundo da ciência e da saúde, em particular no enfrentamento da pandemia de Covid-19. Socióloga e pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz, ela é autora de vários artigos na revista HCS-Manguinhos

Quem divulga ciência na Fiocruz?

Estudo investiga como se organiza um sistema de divulgação e popularização da ciência de uma instituição de grande porte como a Fundação Oswaldo Cruz, e como ele se articula com o discurso institucional

A história da imunização no Brasil: o presente no passado

Veja o que HCS-Manguinhos publicou desde 1996, com destaque a suplemento temático de 2003

Nísia Trindade Lima é eleita titular da Academia Brasileira de Ciências

Também na categoria Ciências Sociais foi eleito o antropólogo Luiz Fernando Dias Duarte

Nísia Trindade Lima encabeça lista tríplice para a presidência da Fiocruz

Ela recebeu 87% dos votos válidos na votação mais expressiva de toda a história das eleições na Fiocruz, seguida por Rivaldo Venâncio e Mario Moreira

O SUS sempre na pauta de HCS-Manguinhos

Neste momento de pandemia e de fragilização política do Sistema Único de Saúde, debater a saúde pública torna-se ainda mais premente. Veja o que já publicamos sobre o tema.

Refazendas: as favelas tecendo a antropologia urbana

Rachel Viana apresenta sua pesquisa premiada sobre a etnografia feita por Anthony e Elizabeth Leeds e uma rede de pesquisadores nos anos 1960 no Jacarezinho, Rio de Janeiro

Doutores pela Casa de Oswaldo Cruz vencem Prêmio Oswaldo Cruz de Teses em Ciências Sociais e Humanas

Rachel de Almeida Viana recebeu o primeiro lugar na área de Ciências Humanas e Sociais, e Christiane de Roode Torres e Denis Guedes Jogas Junior menções honrosas

A Fiocruz diante da Covid-19

A revista Ciência Hoje entrevistou Nisia Trindade Lima, primeira mulher presidente da Fiocruz nos 120 anos da instituição, completados em maio.

Rondon e o telégrafo na Amazônia

Artigo de Dominichi Miranda de Sá, Magali Romero Sá e Nísia Trindade Lima analisa a implantação do telégrafo na Amazônia e o impacto das atividades científicas da Comissão Rondon em áreas como botânica, geologia e zoologia