‘Se aprendermos com o acontecido e lutarmos por mudanças, a Copa deixará um legado’

Julho/2014

Bernardo Sorj *

Bernardo Sorj. Foto de Kátia Lobianco.

Bernardo Sorj. Foto de Kátia Lobianco.

O Brasil só teve um destaque na Copa, a ação da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Desmantelou a armação do executivo da empresa Match — com contrato de exclusividade com a Fifa até 2023 para os pacotes de alojamento durante a Copa do Mundo —, que dirigia uma rede de venda ilegal de ingressos para os jogos, desde sua suíte no Copacabana Palace. Muita água ainda deve rolar sobre como foram montados os preços inflados das diárias de hotel, sob o comando da Match.

O padrão Fifa de qualidade é muito curioso. Quem paga por ele são os países que organizam a Copa. A Fifa fica com a arrecadação bilionária com os contratos de transmissão, de propaganda e todos os negócios que acompanham o evento, inclusive o contrato multimilionário com a Match. Dinheiro certamente não falta, mas a entidade impinge ao país-sede a obrigatoriedade da venda de cerveja nos estádios, um absurdo tanto do ponto de vista dos valores esportivos, quanto das consequências óbvias de aumento das possibilidades de distúrbios e de acidentes daqueles que vieram de carro.

Entre a forma Fifa de agir e a da CBF, as similitudes e relações são múltiplas. Em ambas, uma trupe se apropria de uma paixão popular para agir sem transparência, ganhar fortunas e sair impune. No caso da CBF, as consequências da falta de visão e de planejamento são mais dramáticas, pois afetam diretamente os sentimentos de um povo.

Mas que povo é esse? No jogo contra Alemanha, já no final do primeiro tempo, circulavam nas redes sociais gozações sobre a seleção, o técnico e alguns locutores. O típico mecanismo de defesa brasileiro, o esculacho e a gozação, que personaliza e transfere para o outro a responsabilidade pelo acontecido. Uma reação que enxerga o dedo e não o que ele aponta, que se esgota em si mesma, levando à apatia, à resignação e ao esquecimento. Enquanto há festa e chances de vitória, entramos no transe coletivo, quando vem a derrota caímos fora! A Copa seria “nossa”, o vexame foi “deles”.

Não se trata de desejar que pessoas realizem haraquiris porque a honra nacional foi maculada. Mas de assumir o lado sofrido, coletivo, reconhecendo que a desorganização da seleção, as falcatruas na CBF, as negociatas do Congresso Nacional, a cupidez das empreiteiras e a incompetência do governo falam de todos nós, pois a responsabilidade também é nossa.

Se aprendermos com o acontecido e lutarmos por mudanças, a Copa deixará um legado. Ele não será material, pois os estádios, certamente agora mais bem equipados, ficarão mais elitizados, já que os ingressos deverão aumentar para pagar os investimentos. Para o mundo fica a mensagem que eventos caros são para países ricos que podem bancar a conta ou regimes autoritários que precisam deste tipo de operação de prestígio para se legitimarem. Nas democracias onde a população ainda sofre enormes carências a prioridade é pão, não circo.

* Bernardo Sorj é sociólogo

Fonte: O Globo, 13 de julho de 2014

Leia também no blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos:

O legado que se espera é uma profunda revisão do futebol brasileiro
Para o sociólogo Mauricio Murad, obrigação de redimir a derrota de 1950 foi equívoco que pesou nas costas dos jogadores.

Pane geral: tudo não passou de um mau jogo
Para o historiador Victor Andrade de Melo, o Mineiratzen e o Maracanazo não podem ser comparados

Uma megafesta com legado superestimado
Poucos países ou cidades conseguem efeitos positivos duradouros sediando grandes eventos, afirma o professor Rory Miller, fundador do MBA A Indústria do Futebol da Universidade de Liverpool

‘A Copa é o melhor momento de expressar o inconformismo com as nossas insatisfações’
Para o jogador e médico Afonsinho, o Brasil não está aproveitando uma oportunidade extraordinária

‘Uma Copa não tem a força necessária para mudar um país’
Para o antropólogo alemão Martin Curi, os brasileiros alimentaram esperança demais, e o legado possível restringe-se à venda de uma imagem positiva do Brasil

‘O x da questão não está na reação do jogador, mas no teor da campanha’
Para Clícea Maria Miranda, associação do negro com animalização e a irracionalidade está cristalizada.

Macacos não jogam futebol
Ricardo Waizbort
 inocenta Darwin de acusações de racismo e explica que ele defendia que todas as “raças” humanas faziam parte de uma mesma espécie e compartilhavam um ancestral comum: um primata.

Na revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos:

Formação de relações regionais em um contexto global: a rivalidade futebolística entre Rio de Janeiro e São Paulo durante a Primeira República – Artigo de Christina  Peters (vol. 21, n.1,  jan.-mar. 2014)

Leia também:

Qual será o legado deixado pela Copa? – O preço que se paga por sediar o megaevento foi tema da reportagem de capa da Revista Radis de junho.  Legado também é tema do Blog Saúde em Pauta.

Arquivo Nacional em ritmo de Copa
Exposição virtual Drama e Euforia: o Brasil nas Copas de 50 a 70 traz fotos do Correio da Manhã e da Agência Nacional

Professores do CPDOC publicam em Londres livro sobre relações entre o Brasil e o futebol
Paulo Fontes e Bernardo Buarque de Hollanda lançam em Londres The Country of Football: Politics, Popular Culture, and the Beautiful Game in Brazil.

‘O Maraca é nosso’?
Bernardo Buarque de Hollanda e Jimmy Medeiros apresentam os resultados de uma pesquisa sobre a percepção das torcidas do Rio do novo Maracanã. Exemplo: quanto mais velho o torcedor, mais ele aprova o estádio remodelado.

Leave a Reply