Reflexão sobre universidade, ciência e ditadura abre o XVI Encontro Regional de História na Fiocruz

Julho/2014

Marina Lemle | Blog de HCS-Manguinhos Fotos de Peter Illiciev | CCS | Fiocruz Anpuh_Abertura1Com o auditório do Museu da Vida/Fiocruz lotado, foi aberto nesta segunda-feira, 28 de julho, o XVI Encontro Regional de História, no Rio de Janeiro. A mesa de abertura contou com a presença da vice-presidente de Ensino, Informação e Comunicação da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, do diretor da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), Paulo Elian, do presidente da Anpuh-Rio e pesquisador da COC Flavio Edler e do professor Rodrigo Patto Sá Motta, presidente da Anpuh Brasil e professor da UFMG. Todos ressaltaram a importância deste evento acontecer pela primeira vez na Fiocruz, o que representa um reconhecimento do trabalho da Casa de Oswaldo Cruz no ensino e na pesquisa em história. Nisia Trindade Lima destacou também a política de conhecimento aberto da Fiocruz, que valoriza a relação entre pesquisa, ensino e comunicação científica. Universidade, ciência e ditadura
RodrigoPattoSaMotta

Rodrigo Patto Sá Motta

Na conferência de abertura, “Universidade, ciência e ditadura”, Rodrigo Patto Sá Motta abordou o tema de seu último livro, As universidades e o regime militar (editora Zahar), no qual discute os espaços intermediários entre resistência e colaboração. O historiador explicou que a política modernizadora e reformadora do regime militar tornou as universidades instituições científicas mais relevantes, apesar dos “expurgos políticos e ideológicos” nos quais professores acusados de comunismo e subversão eram afastados e aposentados. “O programa do regime militar não foi enfraquecer as universidades, mas expandi-las para os seus fins”, esclareceu, acrescentando que foram privilegiadas as áreas tecnológicas, seguidas da saúde pública. Entre os pontos que favoreceram o avanço estão, segundo o professor, o aumento das verbas para pesquisa e bolsas, a criação de uma nova carreira docente com dedicação exclusiva, a criação do Plano Nacional de Pós-graduação e a construção de novas universidades e campi. Ele contou que, no nível federal, houve um crescimento de 50% das universidades públicas e uma expansão de 150% do corpo docente e de 300% do corpo discente. As reformas começaram em 1965, mas avançaram a partir de 1968. Sá Motta contou que após o AI5 houve um salto de modernização, ao mesmo tempo em que aumentou a perseguição política, com ações como o decreto 477, lançado para aterrorizar o movimento estudantil, que atingiu centenas de estudantes. De acordo com o professor, os “expurgos” nas universidades duraram até 1969, e o “Massacre de Manguinhos”, que vitimou pesquisadores da Fiocruz, em abril de 1970, foi o último dos grandes expurgos, tendo sido maior pela proporção de cientistas afetados. O pesquisador frisou que, ao contrário da Argentina e do Chile, onde os acadêmicos comunistas foram eliminados das universidades, no Brasil, o expurgo político na elite acadêmica foi incompleto – uns foram demitidos de uma universidade e contratados por outras, outros continuaram em seus postos e outros se acomodaram. Segundo Sá Motta, vários professores que tinham ficha nos arquivos da ditadura não foram aposentados, protegidos por ligações pessoais com pessoas influentes ou por acordos feitos por reitores ou dirigentes que acreditavam na sua importância produtiva para a universidade. Sá Motta acrescentou que a aceleração da modernização universitária era também uma estratégia política de aplacar críticas e atrair intelectuais. “A esquerda se rende por pragmatismos, flexibilidade ideológica e arranjos personalistas”, destacou, comparando aquele tempo com o quadro político atual. Apesar dos fatores positivos da modernização autoritária das universidades, o professor enfatizou que os resultados foram paradoxais, com crescimento intenso, mas desequilibrado. Além disso, ressaltou que não se pode esquecer o lado repressor, violento e injusto. “Não se pode fazer uma leitura otimista da ditadura, que teve uma série de furos, principalmente a entrega de uma economia destroçada e uma recessão aterradora. O programa de desenvolvimento econômico teve uma série de fissuras. Teríamos avançado muito mais num regime democrático. É importante dizer isso para não cair em armadilhas saudosistas”, concluiu. O encontro continua até 1o de agosto na Universidade Santa Úrsula, em Botafogo. Leia mais no blog de HCS-Manguinhos: Evento de fazer história Dos 1654 inscritos no 16° Encontro Regional de História no Rio, 1125 apresentarão suas pesquisas e 432 são de outros estados. Flavio Coelho Edler, presidente da Anpuh-Rio e professor da COC/Fiocruz, fala da importância do evento. Como citar este post [ISO 690/2010]: Reflexão sobre universidade, ciência e ditadura abre o XVI Encontro Regional de História na Fiocruz. Blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos. [viewed 28 July 2014]. Available from: http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/reflexao-sobre-universidade-ciencia-e-ditadura-abre-o-xvi-encontro-regional-de-historia-na-fiocruz/

No comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Fapesp divulga vídeos sobre o impacto da ditadura na universidade - [...] Reflexão sobre universidade, ciência e ditadura abre o XVI Encontro Regional de Hist&oa... Rodrigo Patto Sá Motta falou para um…
  2. Dois historiadores em lista de cinco melhores livros de não ficção - [...] Rodrigo Patto Sá Motta promove reflexão sobre universidade, ciência e ditadura Historiador abriu o XVI Encontro Regional de História…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *