Redes sociais para divulgar ciência

Abril/2013

Abel Packer

Abel Packer, do Scielo

Coordenador do Programa SciELO/Fapesp (Scientific Electronic Library Online), que reproduz na íntegra e gratuitamente na internet o conteúdo de importantes periódicos científicos, Abel Packer acredita que a iniciativa pioneira da Revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos de lançar um blog e perfis em redes sociais servirá de exemplo para outros periódicos. Nesta entrevista, ele explica como essas mídias podem aumentar a interação entre pesquisadores e leitores, num aprendizado constante.

O Scielo está estimulando os periódicos científicos a criarem seus próprios blogs e entrarem nas redes sociais. Por quê?

As redes sociais se projetam no futuro próximo como o principal meio de divulgação para os periódicos científicos. Press releases sobre novos números e artigos, anúncios e interação com os pesquisadores e leitores em geral serão progressivamente operados através das redes sociais. Assim a presença proativa dos periódicos SciELO nas redes sociais é uma das nossas prioridades.

Por que o conteúdo em outras línguas é importante? Que línguas devem ser priorizadas?

A comunicação dos resultados é parte integral da pesquisa científica. Ela é responsável pelo avanço e acúmulo do conhecimento nas mais diferentes áreas temáticas. O inglês é o idioma padrão utilizado na comunicação científica internacional. Por isso o SciELO promove o uso do inglês. Entretanto, o uso do português é essencial em algumas áreas do conhecimento assim como na comunicação de pesquisas de interesse nacional. Cabe aos editores a decisão sobre o uso do inglês ou português ou de ambos. Alguns periódicos publicam em espanhol também, mas nossa prioridade é o inglês e o português.

A revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos está lançando um blog e perfis no Twitter e no Facebook. O senhor aposta no sucesso dessa iniciativa? Por quê?

A notável qualidade da pesquisa original que publica a História, Ciências, Saúde – Manguinhos constitui uma fonte excepcional de conteúdos para tradução, transferência, adaptação e divulgação no blog; e a partir do blog para as diferentes instâncias de redes sociais. Resumos de artigos, comentários, entrevistas com autores são algumas das publicações que podem ser derivadas de cada novo número. Nessa linha editorial o blog tem todas as condições de constituir-se em referência para os pesquisadores da área. Em particular, contribuirá também para aumentar a visibilidade e impacto das pesquisas. Vemos a iniciativa como pioneira e com todas as condições e perspectivas de sucesso e, principalmente, como exemplo a ser seguido pelos outros periódicos SciELO.

Teria alguma recomendação a fazer?

A principal recomendação que atrevo fazer é abordar e centrar a operação nas redes sociais como um aprendizado constante.

(Entrevista a Marina Lemle)

Leia também:

Entre blogs e uma velha Olivetti
Por que a revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos está lançando um blog e mídias sociais?
Saudosista, Jaime Benchimol, o editor, coça a cabeça e admite: é preciso acompanhar as mudanças do mundo.

Internet: alto potencial, baixo custo
O biólogo Atila Iamarino, co-fundador do ScienceBlogs Brasil e autor do blog Rainha Vermelha, aposta em blogs e redes sociais como ferramentas de divulgação científica. Para ele, em tempos de internet, a produção e curadoria de conteúdo passa em parte para os usuários, e os periódicos devem se adaptar.

Leave a Reply