‘Perdemos o sentido de planejamento’, diz historiador do Rio

Março/2015

Álvaro Costa e Silva | Colaboração para a Folha Rio

Nireu_peq

Nireu Cavalcanti

Crítico ferrenho do projeto de reforma da zona portuária do Rio, o Porto Maravilha, dos VLTs (veículos leves sobre trilhos) na avenida Rio Branco, da expansão das linhas do metrô e da preparação para as Olimpíadas do ano que vem, Nireu Cavalcanti, 70, reúne os instrumentos do historiador e os procedimentos do urbanista e arquiteto para dar sua visão do Rio aos 450 anos: “Perdemos o sentido de planejamento”.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o autor do livro já clássico “O Rio de Janeiro Setecentista” (Editora Zahar, 2003), que ganha nova edição no bojo das comemorações, vai na contramão da prefeitura e aponta a zona oeste como o melhor caminho para a cidade ter um crescimento equilibrado, desde que se resolva o problema do transporte de massa e habitação popular.

Leia a entrevista na Folha

E no blog de HCS-Manguinhos…

Rio, 450 anos de história
Para comemorar a data, boas leituras estão disponíveis no site do Arquivo Geral da Cidade e em HCS-Manguinhos.

IMS expõe as primeiras fotos do Rio
São 450 imagens de fotógrafos como Abraham-Louis Buvelot, Georges Leuzinger, Revert Henri Klumb, Marc Ferrez e Augusto Malta

Fortes e fortalezas da Baía da Guanabara em circuitos turísticos
Projeto coordenado por Roberto Bartholo, chefe do Laboratório de Tecnologia de Desenvolvimento Social da Coppe/UFRJ, pretende estreitar laços com a população.

Leave a Reply