Pelos significados da vida

Beatriz Teixeira Weber *

Beatriz Teixeira Weber

Os pesquisadores que trabalham a partir de estudos sistemáticos sobre a situação da propagação de doenças têm uma contribuição indispensável na compreensão do quadro de pandemia em que estamos inseridos. Essas pesquisas são produzidas principalmente nas universidades, que cumprem um papel importante de estudo, mas que tiveram suas atividades precarizadas de forma assustadora nos últimos tempos. No momento em que estamos, elas evidenciam sua importância nos processos de compreensão do vírus. Essas pesquisas incluem estudos clínicos, assim como estudos geográficos, sociológicos, antropológicos e históricos, além da produção de equipamentos para uso no sistema de saúde. Balanço divulgado pela Associação Nacional de Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) indica que vêm sendo desenvolvidas 1.265 pesquisas específicas sobre o novo coronavírus.

As medidas adotadas no Rio Grande do Sul foram pensadas a partir de estudos realizados em instituições federais, coordenados pela Universidade Federal de Pelotas, com entrevistas e testagem de pessoas sorteadas em 9 cidades. Esses estudos indicaram os procedimentos de isolamento. Um outro grupo da UFPel, Grupo de Estudos Covid-19 Estudos Geográficos, do Laboratório de Estudos Urbanos e Regionais da UFPel, permitiu compreender que ocorrem maneiras distintas de transmissão comunitária do Covid-19 no estado, tendo em vista a existência de estruturas territoriais díspares entre o sul e o norte do Rio Grande do Sul no que se refere à organização dos municípios. Na porção sul,  devido à existência de municípios com extensões territoriais maiores, a transmissão comunitária fica significativamente circunscrita (mas não exclusiva) a uma dispersão intra-municipal. Diferentemente, a porção central e principalmente norte do Rio Grande do Sul, além da transmissão intra-municipal, visualiza-se uma significativa estrutura de propagação para municípios próximos tendo em vista a proximidade e integração econômica entre essas localidades.

Na semana a partir do dia 11 de maio de 2020 foi adotado um plano de distanciamento controlado que dividiu o estado em 20 regiões. As decisões sobre a mobilidade nas regiões estão de acordo com a taxa de transmissão da doença e capacidade de atendimento de cada local. A proposta é de ações de prevenção específicas de acordo com o tipo de atividade econômica e sua relevância levando em conta vários critérios (foram usadas publicações norte-americanas como consultoria americana McKinsey & Company e Massachusetts Institute of Technology). Reconhecer diferentes regiões e setores está sendo um dos desafios, enfrentado com o que a produção científica pode oferecer. É uma experiência a ser considerada.

As maiores dificuldades existentes são decorrentes das desigualdades sociais, que fazem com que a situação da pandemia atinja de forma diferente os grupos envolvidos, apesar do vírus poder chegar a todos. Isso torna evidente que é preciso pensar as dinâmicas das relações entre sistemas sociais e naturais, em conjunto com ciências biológicas, exatas e sociais. A situação de propagação de epidemias, a falta de serviços de atendimento à população, a precariedade dos recursos e a necessidade de verbas especiais em situações de emergência eram as mesmas dificuldades que percorreram o século XIX, republicano ou imperial, adentrando nos séculos XX e XXI. O quadro já é bastante precário e não houve alterações consideráveis sobre essas condições, vide os resultados que encontramos ainda hoje. A diferença depois da Constituição de 1988 é o que o Brasil possui um Sistema Único de Saúde que permite a ampliação dos serviços para todos.

Há uma série de obstáculos a serem superados, como a adesão às medidas preventivas, limites da capacidade de testagem e o risco de sobrecarga na rede de atendimento com aproximação do inverno, o que já ocorria na região do Rio Grande do Sul. Os pesquisadores da história e de outras ciências sociais possuem o papel de realizar as reflexões possíveis que ajudem no processo de compreensão das doenças. Elementos culturais fazem com que os cidadãos tenham dificuldade de entender e aceitar o isolamento como uma das medidas para evitar um caos pior, como já ocorreu em tantos outros episódios de disseminação de doenças. Há um conjunto complexo de elementos políticos e de compreensão do papel de cada um.

A compreensão das tradições que informam a população de cada região pode oferece perspectivas que ajudam a entender o significado que a doença, o medo e a cura assumem para as sociedades. São perspectivas religiosas, sobre o papel dos cuidadores, sobre o papel da medicina e das medidas orientadas por essa área de conhecimento. O papel do historiador, e dos cientistas sociais em geral, é compreender esses significados, levando em conta o humano de forma mais integral e ampla. Nenhum fenômeno social pode ser minimizado com respostas simplificadoras.

O fato de estarmos vivenciando um fenômeno global, numa situação epidêmica épica pela dimensão que assumiu e pela rapidez da propagação, não exime a necessidade de pensarmos a partir das situações de compreensão da população em que os fenômenos se inserem. Não há padrões de solução individual, somente soluções coletivas podem oferecer alguma alternativa, pois a adoção de medidas de cada um afeta o conjunto em que todos estão inseridos. O desafio é entender como as pessoas reagem ao medo da doença, à disseminação de informações falsas, como os indivíduos recebem e processam as informações, fazendo com que compartilhem ou não procedimentos considerados mais convenientes. A percepção desses elementos gera políticas mais gerais, que conseguiriam atingir ao conjunto social. Precisamos pensar os contextos que possibilitam e justificam por que várias pessoas aceitam comportamentos absurdos, mas entendem compreensível a adoção de medidas que minimizem a disseminação da doença. O Brasil é uma sociedade ainda marcada pelos significados que o uso da escravidão nos trouxe, na desigualdade social, nos comportamentos adotados, na compreensão da política, na percepção das diversas tradições religiosas, na forma como entendemos os significados das doenças. À história e as demais ciências sociais, com uma reflexão sistemática, cabe pensar esses elementos para entendermos a sociedade brasileira.

* Beatriz Teixeira Weber é professora do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Santa Maria

Como citar este post:

WEBER, Beatriz Teixeira. Pelos significados da vida. Blog de HCS-Manguinhos. Publicado em 14 de agosto, 2020. Disponível em http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/pelos-significados-da-vida

Leia artigos de Beatriz Teixeira Weber em HCS-Manguinhos:

Vínculos entre homeopatia e espiritismo no Rio Grande do Sul na passagem para o século XX, v. 26, n. 4, out./dez. 2019

Estratégias homeopáticas: a Liga Homeopática do Rio Grande do Sul nos anos 1940-1950. Jun 2011, vol.18, no.2  

Utopia higienista argentina. 2010, vol.17, no.3

Mito e ciência: construções e reconstruções. Jun 2007, vol.14, no.2 

Ordem e disciplina no espaço urbano. Mar 2006, vol.13, no.1

Positivismo e ciência médica no Rio Grande do Sul: a Faculdade de Medicina de Porto Alegre. Fev 1999, vol.5, no.3

Leia no especial HISTÓRIA E CORONAVÍRUS no Blog de HCS-Manguinhos:

“Quanto mais o isolamento social funcionar, mais parecerá desnecessário”

A frase que circulava nas redes sociais se concretizou em Minas Gerais, conta Anny Jackeline Torres Silveira, professora da UFOP e do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, no especial História e Coronavírus, do Blog de HCS-Manguinhos. De março até meados de maio, graças à rapidez na decisão pelo distanciamento social e à sua observação satisfatória pela população, a Covid seguia sob controle, mas a reabertura levou ao aumento dos casos.

As incertezas e perplexidades da racionalidade histórica em tempos de pandemia

“Precisamos, mais do que nunca, refletirmos sobre o nosso ofício e o nosso papel social nesse grande laboratório que é a vida”, afirma Sandro Dutra e Silva no especial História e Coronavírus, do Blog de HCS-Manguinhos.
 

Covid-19 avança em Moçambique

Província de Nampula tem rápida propagação de casos. Para Cardoso Armando, doutorando em Estudos Étnicos e Africanos na Universidade Federal da Bahia, pode haver grande subnotificação.
 

Pandemia na África do Sul

“A maioria dos sul-africanos vive em favelas densamente povoadas, nas quais o distanciamento é extremamente difícil, se não for impossível”, conta Colin Darch, da Universidade da Cidade do Cabo.
 
 

 

Pandemia na África

Livio Sansone, professor titular de antropologia da UFBA, apresenta lados negativos e positivos em mesa internacional
 
 
 

A interiorização da Covid-19 na Amazônia: reflexões sobre o passado e o presente da saúde pública

“As assimetrias nos modos de viver, adoecer e morrer na região sublinham as discrepâncias históricas da cidadania no Brasil”, afirma Érico Silva Muniz, professor de História da Universidade Federal do Pará, no especial História e Coronavírus do Blog de HCS-Manguinhos.

A covid-19 no Ceará

Almir Leal de Oliveira, professor de História da Universidade Federal do Ceará, conta que os casos se deslocaram rapidamente da parte mais rica de Fortaleza para os bairros mais populosos e pobres. “A dinâmica da expansão da epidemia no Ceará foi determinada pelas condições locais que apontam a desigualdade social e a densidade populacional”, escreve no Blog de HCS-Manguinhos.

Pandemia de Covid-19, ensino remoto e a potencialização das desigualdades educacionais

“A situação de excepcionalidade não dá ao governo federal o direito de criar barreiras no acesso à educação, sobretudo a crianças e adolescentes que já se encontram em situação de vulnerabilidade”, afirma Rodrigo Cesar da Silva Magalhães, professor de História do Colégio Pedro II e doutor em História das Ciências e da Saúde pela COC/Fiocruz)

Covid-19 e quarentena em Santa Catarina: um triste experimento populacional

Professora do Departamento de Sociologia e Ciência Politica da Universidade Federal de Santa Catarina, Sandra Caponi conta que as medidas de isolamento social adotadas rapidamente pelo governo estadual e a prefeitura de Florianópolis, inicialmente muito bem sucedidas e que contaram com o compromisso da população, sofreram interferências do presidente Bolsonaro e de empresários locais alinhados com ele, com terríveis consequências.

A ciência subordinada: coronavírus e a política científica no Brasil

O historiador Rogério Rosa Rodrigues explica por que a pesquisa básica, as humanidades e as ciências sociais merecem ser consideradas áreas prioritárias

Pandemia, ciência e sociedade: a Covid-19 no Paraná

Embora o estado seja, entre os do sul do Brasil, o que apresenta maior notificação de casos e mortes, autoridades vêm liberando atividades comerciais e o isolamento social. Com o pico da pandemia previsto para coincidir com a chegada do inverno, a sociedade paranaense precisará de toda estrutura do sistema público de saúde e apoio das universidades públicas, afirma o historiador Vanderlei Sebastião de Souza, da Unicentro Paraná, no especial ‘História e coronavírus’ no Blog de HCS-Manguinhos

Bodes expiatórios contra o mal-estar social que as doenças causam

André Mota

“Os empestados são os de fora”, afirma o historiador André Mota (FMUSP), com base em estudos sobre a esquistossomose na cidade de São Paulo de 1930 a 1970. Leia artigo do pesquisador especialmente para o Blog de HCS-Manguinhos

‘Entre a solidariedade e o egoísmo, patrões escolhem defender seus próprios interesses’

Pesquisador da história social do trabalho, o historiador Antonio Luigi Negro – o Gino -, professor da Universidade Federal da Bahia, deu entrevista ao Blog de HCS-Manguinhos e ao programa Labuta, do Laboratório de Estudos da História dos Mundos do Trabalho da UFRJ

Pandemia: particularidades de cada lugar

Historiadores estrangeiros analisam o avanço do Covid-19 em seus países no Blog de HCS-Manguinhos internacional
 

Leia também no Especial Covid-19: o olhar dos historiadores da Fiocruz, da COC:

Casa de Oswaldo Cruz lança especial ‘Covid-19 – o olhar dos historiadores das Fiocruz’
De acordo com Dominichi Miranda de Sá, chefe do Departamento de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde, a série trará reflexões sobre temáticas que dialogam e tornam mais transparentes dilemas e processos relacionados à pandemia em curso.

Ciência, saúde e doenças emergentes: uma história sem fim
A Casa de Oswaldo Cruz lançou um especial com o olhar dos historiadores da Fiocruz sobre a Covid-19. A estreia foi com artigo de Luiz Teixeira e Luiz Alves.

O laboratório e a urgência de mover o mundo
O que a história e as ciências sociais têm a nos dizer sobre os atores, as práticas e os lugares que produzem a ciência? Simone Kropf responde, em artigo para o especial da Casa de Oswaldo Cruz sobre a Covid-19.

Oswaldo Cruz no combate às epidemias
Para o especial sobre Covid-19 da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Gisele Sanglard e Renato da Gama-Rosa Costa lembram que Oswaldo Cruz combatia, com poder de polícia, três epidemias ao mesmo tempo – peste bubônica, febre amarela e varíola.

Covid-19: historiador discute produção de consensos na ciência
Como se constroem os consensos na ciência? Por que os cientistas e as instituições de pesquisa reveem suas posições? Qual o papel dos dados nesses processos e na tomada de decisões? O historiador Robert Wegner, pesquisador da Casa de Oswaldo Cruz, discute esta e outras questões relacionadas à pandemia neste vídeo da série especial ‘Covid-19: o olhar dos historiadores da Fiocruz’.

A covid-19 em favelas: vulnerabilidades sociais e auto-organização em Manguinhos
“As diferenças sociais, econômicas e territoriais, que incidem diretamente na capacidade de enfrentamento desta pandemia, permitem afirmar a relevância do Estado Democrático de Direito, do SUS e de políticas públicas adequadas, com foco nos princípios da equidade e universalidade, como fundamentais para a superação deste momento”, afirmam Tania Fernandes e André Lima no especial Covid-19: o olhar dos historiadores da Fiocruz, do site da Casa de Oswaldo Cruz.

Especial Covid-19: O Sistema Único de Saúde e o desafio da Covid-19
Para Carlos Henrique Assunção Paiva, Luiz Antônio da Silva Teixeira e Fernando A. Pires-Alves, pesquisadores da COC/Fiocruz, a crise traz à luz a necessidade de desenvolvimento de um sistema público de saúde efetivo, com a ampliação dos investimentos, a valorização das instituições de saúde e a independência técnica por parte das autoridades sanitárias

Especial Covid-19 | Quando as doenças viram números
As estatísticas tornam conhecidas as várias faces locais da pandemia e possibilitam a atuação de estados e municípios de forma eficiente e rápida na distribuição de recursos e no socorro à população, afirma Thayane Lopes Oliveira no Especial Covid-19 da Casa de Oswaldo Cruz.