Pavilhão Mourisco: ecletismo no Rio de Janeiro

A Nova Sinagoga de Berlim (foto acima, à direita) foi uma das influências arquitetônicas que levaram ao projeto do Pavilhão Mourisco (à esquerda) – edifício-sede e símbolo da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, cuja construção terminou em 1918 . Esta e outras referências ilustram o artigo Pavilhão Mourisco no contexto do ecletismo carioca (HCS-Manguinhos, v. 27, n. 2, abr./jun. 2020), de Renato da Gama-Rosa Costa e Inês El-Jaick Andrade, do Programa de Pós-graduação em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, que conta a história do projeto, suas influências e sua construção. 

Conhecido como o “castelo da Fiocruz”, o Pavilhão Mourisco celebrará, em 2021, 40 anos de sua preservação pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional, como uma das construções mais representativas do período eclético da arquitetura brasileira. Projetado pelo português Luiz Moraes Jr., sua configuração recebeu influências estéticas, formais, espaciais e funcionais das mais diferentes origens, o que consolidou seu reconhecimento oficial como patrimônio cultural brasileiro.

O artigo publicado em HCS-Manguinhos também analisa o contexto urbano em que se deu sua implantação na cidade do Rio de Janeiro e ressalta o momento de revisão historiográfica da arquitetura que contribuiu para o processo de reconhecimento do seu valor cultural e científico. Afinal, ali surgiria uma das maiores instituições de pesquisa em saúde da América Latina.

Imagens: Projeto definitivo do Pavilhão Mourisco, de autoria de Luiz Moraes Jr., 1908 (acervo DAD/Fiocruz) e foto da Nova Sinagoga de Berlim (Berlin State Archives) 

Leia em HCS-Manguinhos:

Pavilhão Mourisco no contexto do ecletismo carioca, artigo de Renato da Gama-Rosa Costa e Inês El-Jaick Andrade (v. 27, n. 2, abr./jun. 2020)

Acesse o sumário da edição (v. 27, n. 2, abr./jun. 2020)

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

Flagrantes da construção de um castelo da ciência
Aline Lopes de Lacerda reflete sobre as relações entre cultura fotográfica e a vida institucional da Fiocruz por meio das obras do Pavilhão Mourisco

Desafios para a preservação do Castelo da Fiocruz
Plano de conservação preventiva para o Pavilhão Mourisco – símbolo e sede da Fiocruz – resulta do amadurecimento dos processos de preservação do patrimônio cultural institucional, afirmam especialistas da Casa de Oswaldo Cruz

Pavilhão Mourisco, o castelo da Fiocruz
Sede e símbolo maior da Fundação Oswaldo Cruz é tema de dossiê comemorativo dos 120 anos da instituição na revista HCS-Manguinhos

Como citar esse post:

Pavilhão Mourisco: ecletismo no Rio de Janeiro. Blog de HCS-Manguinhos. Publicado em 25/09/2020. Disponível em http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/pavilhao-mourisco-ecletismo-no-rio-de-janeiro/