Para brincar o carnaval e voltar de táxi

Fevereiro/2015

Vinicius Zepeda | Boletim da Faperj

Rio Ao Vivo permite acompanhar os blocos (Foto: Divulgação)

Dois aplicativos gratuitos para smartphones e tablets que podem ser rodados nos sistemas operacionais Android e iOS, acabam de ser colocados em destaque na seção “Carnaval” do Google Play e da Apple Store. São eles o Rio Ao Vivo e BoraJunto Táxi. Ambos foram desenvolvidos com apoio da FAPERJ por meio do programa Start-up Rio, iniciativa que vem apoiando a transformação de 50 ideias desenvolvidas por jovens empreendedores em empresas nascentes com base na inovação tecnológica. O primeiro aplicativo, Rio ao Vivo, consiste numa plataforma que, com o uso de câmeras de alta qualidade, transmite imagens em tempo real, mostrando como está a movimentação em praias, pontos turísticos, bares, shopping-centers e casas noturnas da cidade. “A ideia é que o usuário possa decidir qual a melhor opção de lazer, escolher a hora para chegar, a roupa certa para vestir e ver se é mesmo o point para onde quer ir, evitando cair numa furada. As câmeras estão localizadas em lugares de alta circulação de foliões, e por onde circularão diversos blocos, como a Lapa e o Baixo Gávea”, diz o empreendedor Pedro Paulo Sotomayor, que ao lado de Nilo Félix Júnior, Bruno Rodrigues e Philippe Rosa, é sócio na iniciativa. “Para o ano que vem, esperamos fechar alguns patrocínios específicos, com cervejarias, para que possamos acompanhar a movimentação dos blocos de forma ainda melhor”, acrescenta. Para criar o Rio ao Vivo, Sotomayor e sua equipe procuraram empresas comerciais interessadas em colocar câmeras à disposição do projeto “Em troca, eles ganharam publicidade em marketing digital, que, com baixo investimento, tem alto retorno. Nosso aplicativo dá ao usuário acesso ao site desses estabelecimentos, permitindo que façam reservas antecipadas, enquanto também possibilita ao empresário conhecer o perfil de seus clientes”, explica Sotomayor. Ele espera fechar novas parcerias e assim aumentar o número de câmeras espalhadas pela cidade. Entre algumas das funções do aplicativo está a Partiu, que serve como um termômetro para visualizar quantas pessoas – e quem são – estão indo para determinado localao passo que a Snapshot, permite que se possa fotografar e postar nas redes sociais, como FacebookInstagram ou What’s app, uma imagem ao vivo do local em que se está. “Para acessar o aplicativo, o usuário precisa se logar em sua conta do Facebook. Porém, a função Partiu apenas puxa sua foto do perfil Facebook – sem indicar nome ou outras informações –, indicando somente que mais uma pessoa está indo para determinado lugar. Nossa meta é que, em breve, possamos utilizar o serviço de bate-papo da rede para que as pessoas possam se comunicar entre si enquanto estiverem indo para o mesmo lugar, marcar encontros e, assim, criar novas redes de amizade”, destaca Sotomayor. Além de um blog com dicas de programação da cidade, o aplicativo também está disponível, com todas suas funcionalidades, no site www.rioaovivo.com. “Além do Rio ao Vivo, disponível em versões para internet e smartphone, há ainda um similar com os melhores points de Brasília (www.bsbaovivo.com), que pode ser igualmente baixado no Google Play. Para o ano que vem, esperamos replicar a plataforma para a cidade de São Paulo”, complementa.

Aplicativo BoraJunto permite o compartilhamento de corridas de táxi (Foto: Divulgação)

Já o aplicativo BoraJunto Táxi, também chega em um momento propício. Afinal, a lei seca e a alta nos preços dos combustíveis favorecem o uso de táxis para percorrer diversos trechos da cidade. Muita gente está se habituando a instalar aplicativos em seus smartphones e a requisitar serviços de transporte individualizado. “Estamos tentando criar uma nova categoria de transporte, usando o táxi de uma forma mais social. Um estudo do Massachusetts Institute of Technology [MIT], nos Estados Unidos, diz que a compatibilidade de caminhos entre as pessoas chega a 95% das corridas de táxis”, justifica Ticiana Hugentobler, sócia de Pedro Dias no empreendimento.  “A interface desenvolvida pelo Borajunto Táxi também se assemelha ao formato das redes sociais mais usadas, em que os usuários trocam mensagens em tempo real e combinam maneiras de se encontrar, rotas e horários para compartilhar corridas de táxi, dentro da região metropolitana do Rio”. Para isso, eles precisam se logar em seu perfil no Facebook e comunicar-se com pessoas que estejam indo pelo mesmo itinerário, naquele horário. “A proposta é que o aplicativo reduza gastos, estimule e diminua as filas de espera por táxis, em lugares como os aeroportos, por exemplo”, diz Ticiana. Ela acredita que, como as pessoas podem visualizar o perfil umas das outras no Facebook e descobrir se possuem amigos em comum, há a possibilidade de se formar novas amizades. No período de carnaval, o BoraJunto Táxi se torna  ainda mais importante. “Tal como acontece habitualmente na hora do rush, nesse período há maior demanda por táxis do que oferta. Ou seja, os ônibus ficam tão lotados que muitas vezes nem param. O metrô não tem capilaridade para atender toda a cidade e dirigir automóvel com a cidade lotada, ou depois de consumir bebidas alcoólicas, não é uma boa ideia. E os táxis se tornam mais concorridos. Então, nada melhor do que rachar um táxi e fazer mais amigos. Sem esquecer nossa hashtag: se beber #borajunto”, afirma a empreendedora. No início de novembro de 2014, o Borajunto Táxi  foi apresentado na 12ª edição do Michelin Challenge Bibendum, uma das mais importantes conferências internacionais sobre inovação e mobilidade sustentável, que aconteceu em Chengdu, na China. Eles foram os únicos finalistas das Américas classificados no evento e acabaram levando o primeiro lugar na final. Outro resultado animador foi terem conquistado menção honrosa no prêmio Mobilidade Minuto, promovido em outubro do mesmo ano pelo IVM Cidade em Movimento, para destacar as iniciativas que melhorem a mobilidade urbana em todo o País. *Com colaboração de Débora Motta Fonte: Boletim da Faperj Leia no blog de HCS-Manguinhos: Cuidado com a ‘Espanhola’!
Cuidado com a ‘Espanhola’! Artigo de Ricardo Augusto dos Santos conta como os cariocas dramatizaram a febre que dizimou a população em 1918 no carnaval do ano seguinte.   Outros carnavais na Casa de Rui Barbosa
Outros carnavais na Casa de Rui Barbosa Exposição exibe registros de carnavais de 1887 a 1999, quando o enredo da escola de samba São Clemente lembrou os 150 anos do nascimento de Rui Barbosa   O doutor que virou marchinha de carnaval
O doutor que virou marchinha de carnaval Lamartine Babo e Noel Rosa não perderam a chance de fazer piada com os curiosos xenoimplantes glandulares do Dr. Voronoff
.
.
.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *