O papel de Havana na busca pelo germe causador da febre amarela no século 19

Julho/2015

Steven Palmer. Foto de Roberto Jesus Oscar.

Steven Palmer. Foto de Roberto Jesus Oscar.

Na segunda metade do século 19, uma corrida internacional para determinar qual era o germe causador da febre amarela, doença que afligia diversos países americanos, colocou Havana no centro do circuito bacteriológico da época. Expoente de uma geração de cientistas fluentes em diferentes idiomas, que ultrapassavam a barreira do estado-nação para levar a cabo suas pesquisas, o norte-americano George Miller Sternberg e sua atuação em busca de descobrir o causador da doença foram tema da conferência de abertura do workshop Doenças Tropicais – uma Perspectiva Histórica, ministrado pelo historiador Steven Palmer, da Universidade de Windsor (Canadá). O evento foi promovido pela Casa de Oswaldo Cruz e a Universidade de York de 1º a 3 de julho no campus da Fiocruz no Rio.

Em contraponto a visões fortemente marcadas por uma oposição entre centro – associado às grandes metrópoles europeias e a cidades norte-americanas – e a periferia representada pela América Latina e outras regiões consideradas menos desenvolvidas, Palmer mostrou que uma rede policêntrica, criativa e instável deu o tom das pesquisas em torno da febre amarela nos dois lados do Atlântico naquele período. Esse processo envolveu laboratórios bacteriológicos altamente interconectados na Europa, nos Estados Unidos e na América Latina. Médico do exército norte-americano, Sternberg ocupara posições temporárias em postos militares avançados em regiões isoladas e pouco desenvolvidas do Sul e do Oeste do país antes de desempenhar um papel crucial nas pesquisas sobre a febre amarela. Um ano depois de ser designado para um atuar ao lado de John Shaw Billings em uma bem-equipada ala experimental do Museu e Biblioteca do Exército em Baltimore, ele visitou o bacteriologista alemão Robert Koch em 1885 em Berlim e acompanhou seus estudos sobre a doença. Sternberg conhecera Billings quando este era diretor do National Board of Health, autoridade federal de saúde pública estabelecida entre 1879 e 1884 como resposta a um surto massivo de febre amarela ocorrido no sul dos EUA em 1878. A instituição apontou Sternberg para participar da delegação que foi a Havana com o objetivo estudar a doença em conjunto com médicos militares espanhóis e os médicos locais Carlos Finlay, Juan Guiteras e Emílio Martinez. As viagens de Sternberg ao Brasil e ao México Billings esteve à frente da criação de uma das mais importantes instituições da história da medicina: a Hospital e a Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Ao lado dele, Sternberg atuou no recém-criado laboratório bacteriológico da Johns Hopkins, passando a fazer parte da equipe de bacteriologistas médicos da instituição. Em 1887, ele foi escolhido para integrar a comissão de febre amarela organizada para explorar a eficácia das vacinas desenvolvidas por Domingos José Freire, no Brasil, e Manuel Carmona, no México, e tentar determinar o germe da doença. O médico empreendeu duas viagens: uma ao Rio e outra à Cidade do México e a Veracruz, onde visitou os laboratórios de Freire e Carmona. Ele obteve culturas dos micro-organismos que cada um tinha identificado como os agentes patogênicos da febre amarela e amostras das vacinas que os dois tinham usado em testes extensivos. Freire, mais tarde, o acusaria de ter obtido amostras de seu trabalho de forma anti-ética, aproveitando-se de sua ausência do laboratório. Ao concluir suas viagens ao Brasil e ao México, o fato de não ter podido coletar espécimes patológicos em cada país preocupou Sternberg: ele não poderia realizar pesquisa comparativa ou original sem esse material. A sua estada no Rio e em Veracruz não coincidiu com a estação de maior incidência da febre amarela. Além disso, no Rio, ele não pode ter acesso aos corpos das poucas vítimas da enfermidade devido à relutância dos administradores do hospital em dar-lhe acesso aos cadáveres. Nessa altura, Sternberg tomou uma decisão lógica: resolveu ir a Havana para completar seu relatório. Embora a comunidade médica acreditasse que a febre amarela era provavelmente causada por um agente infeccioso bacteriológico específico, a doença ainda era um tema complicado para os pesquisadores.  A grande dificuldade era básica: os lugares onde as pessoas contraíam febre amarela não contavam com instalações em que análises bacteriológicas confiáveis poderiam ser feitas. A criação do instituto de Havana Em 1887, esse empecilho foi resolvido quase que “da noite para o dia” em Havana, com a inauguração do Instituto Histo-bacteriológico y de vacunación antirrábica de la Crónica medico-quirúrgica de la Habana. A cidade passou a contar com instalações bacteriológicas avançadas, modeladas segundo os laboratórios do Instituto Pasteur de Paris. Além disso, a instituição recebeu alunos da escola de bacteriologia e produção de vacina da instituição francesa. “A capital da Cuba colonial espanhola havia repentinamente se tornado o lugar ideal para um bacteriologista médico bem-treinado verificar ou refutar as reivindicações de muitos competidores pelo título de descobridor do germe da febre amarela”, afirmou Palmer. “Era também o local ideal para o próprio Sternberg ir em busca do germe, já que, como suspeitava, ele provaria que as quatro reivindicações existentes se tratavam de equívocos, originados da complexidade da doença e do uso de técnicas bacteriológicas ilegítimas”. Havana concentrava um grande número de médicos: eram 500, o equivalente a um para cada 500 habitantes. Ao mesmo tempo, a cidade também registrava inúmeros casos de febre amarela. Entre 1853 e 1900, quase 36 mil pessoas moraram da doença na cidade. “O efeito combinado da presença de médicos e de [casos de] febre amarela fez de Havana a maior clínica de febre amarela do mundo”, explicou o historiador. Nesse contexto, o cubano Carlos Finlay desenvolveu sua instigante hipótese atribuindo a mosquitos um papel importante para a transmissão da febre amarela. Mais tarde, Finlay começou a combinar essa hipótese com a análise bacteriológica, juntamente com seu colega, Claudio Delgado, um médico civil espanhol. Havana atrai pesquisadores estrangeiros O Instituto de Havana foi um projeto de Juan Santos Fernández, um oftalmologista local e dono de plantações muito rico, que reuniu um grupo de médicos pesquisadores jovens e ambiciosos. “A instituição foi fundada como um instituto de medicina tropical de inspiração pasteuriana, e pode ser considerado provavelmente o primeiro instituto de pesquisa desse tipo no mundo”, explicou Palmer. “A inauguração do instituto foi uma declaração de soberania científica de Cuba”. Não demorou muito para que estrangeiros começassem a procurar o instituto de Havana para realizar pesquisas sobre a febre amarela. O primeiro foi o francês Paul Gibier, que fora o principal interlocutor entre a comunidade científica francesa e Domingos José Freire durante a visita triunfal deste a Paris no começo de 1887. Gibier se distanciou de Freire e anunciou sua própria descoberta de um bacilo que seria o germe da febre amarela. Ao percebeu que um rival importante estava a sua frente na busca pelo causador da doença, Sternberg ficou alarmado. “Não bastasse isso, Carlos Finlay, amigo de Sternberg, anunciou com pompa em meados de 1887 que tinha isolado, em conjunto com Claudio Delgado, o germe que causava a doença”. Essas duas descobertas feitas em Havana e as notícias sobre o novo instituto atraíram Starnberg à cidade. Ao chegar a Cuba em 1888, ele foi indicado para trabalhar com Diego Tamayo, um dos mais destacados cientistas da instituição. Sternberg levou para a ilha as amostras que colhera no México e no Brasil, reunindo-as a amostras de Finlay. Em poucos dias, recebeu também uma amostra de Gibier. “A intenção de Sternberg era executar em Havana a bacteriologia comparativa definitiva necessária para verificar a validade de todas as alegações de uma vez por todas”, explicou Palmer. A “limpeza” promovida por Sternberg De acordo com o historiador, o círculo da bacteriologia da febre amarela estava, então, fechado pela primeira vez em Havana, com a conjunção, em um mesmo lugar, de um laboratório de ponta, metodologia, saber técnico e científico e material bruto. Durante sua estada na cidade, Sternberg teve acesso a algo que lhe fora negado em sua passagem pelo Brasil: acesso aos corpos de vítimas de febre amarela, nos quais realizou autópsias para seus estudos. “Sternberg produziu algo invisível em Havana, invisível mesmo a ele e a seu microscópio. Ele recolheu as maiores expressões da bacteriologia da febre amarela no Atlântico do século 19 e, extraordinariamente, não produziu nada”, disse Palmer. “Ele fez uma limpeza de proporções espetaculares nesse campo: um relatório final para o presidente dos Estados Unidos que, efetivamente e de forma desapontadora, anunciou a morte da bacteriologia da febre amarela, dando fim à esperança de se encontrar uma vacina através dos métodos pasteurianos”. Em Cuba, Sternberg também fez testes terapêuticos com um “tratamento alcalino”, combinando um antiácido e um anticéptico. Após aplicada na ilha com resultados positivos –nenhum dos pacientes tratados morrera, mesmo aqueles com casos graves – o tratamento de Sternberg foi testado nos Estados Unidos (Flórida e Alabama), no Brasil e em Cuba novamente. O workshop Doenças Tropicais: uma Perspectiva Histórica contou com o apoio da British Academy e do Centre for Global Health Histories. Fonte: Casa de Oswaldo Cruz Sobre febre amarela, leia em História, Ciências, Saúde – Manguinhos: Cidade-laboratório: Campinas e a febre amarela na aurora republicana, artigo de Valter Martins, vol.22, n.2, jan./abr. 2015 Antiescravismo e epidemia: “O tráfico dos negros considerado como a causa da febre amarela”, de Mathieu François Maxime Audouard, e o Rio de Janeiro em 1850. Kaori Kodama, vol.16, no.2, Jun 2009. A cidade e a morte: a febre amarela e seu impacto sobre os costumes fúnebres no Rio de Janeiro (1849-50) – Cláudia Rodrigues, vol.6, no.1, Jun 1999 Combates sanitários e embates científicos: Emílio Ribas e a febre amarela em São Paulo – Marta de Almeida, vol.6, no.3, Fev 2000 Produzindo um imunizante: imagens da produção da vacina contra a febre amarela – Aline Lopes Lacerda e Maria Teresa Villela Bandeira de Mello, vol.10, supl.2, 2003 Da ‘abominável profissão de vampiros’: Emílio Goeldi e Os mosquitos no Pará (1905) – Nelson Sanjad, vol.10, no.1, Abr 2003 Representação e intervenção em saúde pública: vírus, mosquitos e especialistas da Fundação Rockefeller no Brasil – Ilana Löwy, vol.5, no.3, Fev 1999 Mais notícias do workshop sobre doenças tropicais: Ideias de raça influenciaram diagnóstico da febre amarela no Caribe no início do séc. 20 Tara Innis, da Universidade de West Indies, em Trinidad e Tobago, participou de mesa no workshop sobre doenças tropicais realizado na Fiocruz de 1º a 3 de julho. Pesquisadora investiga por que a hanseníase continua endêmica no Brasil Roseli Martins Tristão Maciel, da Universidade Estadual de Goiás, apresentou trabalho no workshop sobre doenças tropicais realizado na Fiocruz. Harald Sioli e a esquistossomose na Fordlândia, 1950 O historiador André Felipe Cândido da Silva revela as descobertas do limnologista alemão em workshop sobre doenças tropicais na Fiocruz Historiadora estuda o combate ao ‘amarellão’ no RS na década de 1920 Em workshop na Fiocruz, Ana Paula Korndörfer abordou a cooperação entre o governo estadual e a Fundação Rockfeller contra a doença Historiador estuda acervo do Asilo São Vicente de Paulo, em Goiás Internos cuidados por irmãs dominicanas entre 1909 e 1946 tinham lepra, doenças mentais e doenças tropicais, como Chagas, malária, leptospirose e dengue, revela Rildo Bento de Souza, da UFG Pesquisa investiga botica de hospital militar de Goiás em fins do século XVIII Trabalho de pesquisadores da UFG foi apresentado no workshop sobre doenças tropicais realizado na Fiocruz, no Rio ‘As colônias deram mais do que receberam’ Rita Pemberton, professora da Universidade de York especialista na história de Trinidad e Tobago, proferiu uma das mais aguardadas palestras do workshop ‘Sal Pinotti’ contra malária na Amazônia No workshop sobre doenças tropicais realizado na Fiocruz, Rômulo de Paula Andrade abordou a estratégia na Amazônia nos anos 1950 e Elis Regina Corrêa Vieira falou sobre o papel da imprensa paraense no surto de 1917. Medo e desinformação marcaram epidemia de cólera em Veracruz, no México Beau Gaitors e Chris Willoughby, da Universidade Tulane (EUA), participaram do workshop sobre doenças tropicais na Fiocruz E no blog de HCS-Manguinhos em inglês/espanhol: “Race is never silenced in scientific inquiry” Interview with Tara Inniss discusses how racial categorizations continue to form a major part of epidemiological investigation in the Caribbean and elsewhere. A history of yellow fever, environment and nationalism in 19th century Florida, US Elaine LaFay discusses how regional assessments raise questions about meanings of tropicality and cultural understandings of tropical diseases. The polar chamber and the freezing of Cuba politicsFrancisco Javier Martínez-Antonio explains the polar chamber’s way to freeze Cuba in medical and political terms in the 19th century.
La fiebre amarilla y la medicina china en Perú. Artículo de Patricia Palma explora el crecimiento de diversos saberes médicos durante y tras la epidemia de fiebre amarilla en Lima, Perú. La cólera, la desinformación y el comercio en VeracruzBeau Gaitors y Chris Willoughby exploran el problema comercial y sanitario enfrentado por el puerto mexicano en el siglo 19.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *