Malária na veia

Agosto/2013

Marcelo Garcia | Ciência Hoje Uma das metas da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a malária é que até 2025 seja produzida uma vacina com alto grau de imunização contra a doença. No entanto, até hoje nenhuma candidata conseguiu se aproximar desse objetivo. Mais um passo nessa direção foi dado por um estudo publicado na revista Science desta semana. Testes clínicos iniciais mostraram bons resultados de um imunizante baseado na forma infectante do parasita atenuada e trouxeram mais informações sobre os mecanismos imunológicos associados à doença. No entanto, a grande quantidade de doses necessárias e a utilização de via intravenosa representam grandes obstáculos à nova vacina. Nos últimos anos, intervenções para o controle da malária, como a utilização de testes rápidos de diagnóstico e drogas mais potentes, têm reduzido a morbidade e a mortalidade relacionadas à doença. No Brasil, os números têm caído, embora a expansão das atividades humanas para a Amazônia preocupe. Mesmo assim, em 2012, foram registrados 220 milhões de casos e um milhão de mortes por malária no mundo. Por ser o responsável pelas manifestações mais graves da doença e também o mais estudado dos protozoários causadores da malária, o Plasmodium falciparum serviu como base para a vacina, que foi testada em 40 indivíduos, submetidos a diversos regimes de aplicação, todos por via intravenosa.
Vacina contra malária

Antígenos da vacina, que contém esporozoítos de ‘Plasmodium falciparum’, parasita responsável pelas manifestações mais graves de malária. (imagem: cortesia de Stephen Hoffman, Sanaria Inc.)

Leia aqui a matéria completa no site Ciência Hoje Nota do Blog: Leia também Jovens africanos criam sabonetes contra a malária  

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *