Lepra em Moçambique colonial: do sobrenatural à segregação

Na passagem do século XIX para XX, a lepra na África atraía a atenção dos missionários e médicos europeus. O missionário suíço Henri Junod, em sua etnografia sobre os povos tsonga, do sul de Moçambique, afirma que a lepra era considerada uma das duas doenças contagiosas mais temidas – a outra era a tuberculose. Ele percebe também que a visão ocidental e a local sobre as doenças eram bastante diferentes.

Segundo Junod, os tsonga acreditavam que as doenças eram comandadas por forças sobrenaturais. Os “médicos indígenas” (n’angas) não examinavam os sintomas físicos com práticas como auscultação, palpação ou exames de secreções, sangue, saliva ou urina, mas procuravam diagnosticar as causas das doenças por meio do jogo de ossículos: a posição em que os ossos caíam revelava a presença, as circunstâncias e as causas espirituais da doença. Os tratamentos seguiam caminhos diferentes de acordo com este diagnóstico.

Junod afirma que, embora a lepra fosse muito temida, os leprosos não eram segregados e viviam na aldeia com todos os outros habitantes, apesar de a ideia do contágio por contato não lhes ser estranha e haver cuidados específicos.

No artigo “Lepra: doença, isolamento e segregação no contexto colonial em Moçambique“, Valdemir Zamparoni, professor de História da Universidade Federal da Bahia, discute os distintos vieses das opiniões e propostas elaboradas por agentes da medicina ocidental da época, registradas em relatórios e documentos publicados pela Repartição de Saúde e o Arquivo Histórico de Moçambique.

Leia em HCS-Manguinhos:

Lepra: doença, isolamento e segregação no contexto colonial em Moçambique, artigo de Valdemir Zamparoni (vol.24, no.1 , jan./mar. 2017)

 

Leia também:

Carvalho, Keila Auxiliadora. Discussões em torno da reconstrução do significado da lepra no período pós-sulfônico, Minas Gerais, na década de 1950. Abr 2015, vol.22, no.2

Mellagi, André Gonçalves and Monteiro, Yara Nogueira O imaginário religioso de pacientes de hanseníase: um estudo comparativo entre ex-internos dos asilos de São Paulo e atuais portadores de hanseníase. Jun 2009, vol.16, no.2 

Castro, Selma Munhoz Sanches de and Watanabe, Helena Akemi Wada Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: memória de idosos. Jun 2009, vol.16, no.2

Leandro, José Augusto. A hanseníase no Maranhão na década de 1930: rumo à Colônia do Bonfim. Jun 2009, vol.16, no.2 

Santos, Vicente Saul Moreira dos.Pesquisa documental sobre a história da hanseníase no Brasil. 2003, vol.10, suppl.1 

Benchimol, Jaime Larry et al. Luta pela sobrevivência: a vida de um hanseniano através da correspondência com Adolpho Lutz. 2003, vol.10, suppl.1

Maciel, Laurinda Rosa et al. Memories and history of Hansen’s disease in Brazil told by witnesses (1960-2000). 2003, vol.10, suppl.1

Moreira, Tadiana Alves. Panorama sobre a hanseníase:quadro atual e perspectivas. 2003, vol.10, suppl.1 

Sarno, Euzenir Nunes. A hanseníase no laboratório. 2003, vol.10, suppl.1 

Joseph, D. George. “Essentially Christian, eminently philanthropic”: The Mission to Lepers in British India. 2003, vol.10, suppl.1

Levison, Julie H. Beyond quarantine: a history of leprosy in Puerto Rico, 1898-1930s. 2003, vol.10, suppl.1

Obregón, Diana. The anti-leprosy campaign in Colombia:the rhetoric of hygiene and science, 1920-1940. 2003, vol.10, suppl.1 

White, Cassandra. Carville and Curupaiti: experiences of confinement and community. 2003, vol.10, suppl.1 

Monteiro, Yara Nogueira. Prophylaxis and exclusion:compulsory isolation of Hansen’s disease patients in São Paulo. 2003, vol.10, suppl.1

Oliveira, Maria Leide Wand-del-Rey de et al. Social representation of Hansen’s disease thirty years after the term ‘leprosy’ was replaced in Brazil. 2003, vol.10, suppl.1

Cueto, Marcos and Puente, José Carlos de la. Vida de leprosa: the testimony of a woman living with Hansen’s disease in the Peruvian Amazon, 1947. 2003, vol.10, suppl.1

Pandya, Shubhada S. The First International Leprosy Conference, Berlin, 1897: the politics of segregation. 2003, vol.10, suppl.1

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

Pesquisadora investiga por que a hanseníase continua endêmica no Brasil
Roseli Martins Tristão Maciel, da Universidade Estadual de Goiás, apresentou trabalho no workshop sobre doenças tropicais realizado na Fiocruz.

Ressignificação da lepra é tema de artigo em HCS-Manguinhos
Keila Auxiliadora Carvalho analisa o debate nas páginas dos Arquivos Mineiros de Leprologia na década de 1950

A saúde no contexto global
Primeira edição de HCS-Manguinhos de 2015 traz os dossiês ‘Bioética e diplomacia em saúde’ e ‘Saúde internacional/saúde global’

 

 

Leave a Reply