Ivana Stolze Lima critica pesquisa do Ipea sobre tolerância à violência contra mulher

Abril/2014

Ivana Stolze Lima

Ivana Stolze Lima

A historiadora Ivana Stolze Lima, pesquisadora da Fundação Casa de Rui Barbosa e professora da PUC-Rio, enviou ao blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos uma crítica à pesquisa do Ipea “Tolerância social à violência contra as mulheres”. A pesquisa gerou polêmica duas vezes: primeiro ao afirmar que 65% dos entrevistados concordava que “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas” e alguns dias depois, quando o Ipea divulgou uma errata corrigindo o percentual para 26%, alegando ter havido a troca de duas respostas de uma tabela. 

Ivana analisou as outras perguntas e respostas da pesquisa e concluiu que os resultados não demonstram tanta aceitação à violência contra mulheres como foi alardeado. Ela também critica a falta de senso crítico em relação a pesquisas de opinião em geral.

“Desde o início, me chamou a atenção a falta de senso crítico diante da afirmação de que 65% de pessoas concordam que mulheres provocantes merecem ser “atacadas”.  O primeiro passo foi acessar o meu próprio entendimento do mundo e chegar à conclusão de que o número é absurdo e irreal. Afinal, onde está o senso crítico em relação a estatísticas e a “pesquisas de opinião?”. Ninguém se lembra das pesquisas do Ibope em 1989, que perguntavam: você votaria num candidato analfabeto? E num candidato com curso superior e experiência, você votaria? Ninguém nunca se sentiu sutilmente enganado pela classificação imposta pelo IBGE, seja de raça, gênero ou classe? Saudades do Jeca Tatu, que fugia das pesquisas do governo como o diabo foge da cruz por temer o “reculutamento”.  Sábio Jeca, que intuía que estatísticas são discursos que criam realidades sociais,  mais do que supostos desvendamentos da realidade.

A tal pesquisa do Ipea se organiza como  “indicadores de percepção social” e opera junto ao público com as seguintes categorias, sob a aparência de frases: “mulher gosta de apanhar”, “em briga de marido e mulher não se mete a colher”, a célebre “mulheres que mostram o corpo merecem ser atacadas”, e ainda “as mulatas são mais fogosas do que as mulheres brancas”… No site do IPEA não há explicação sobre a metodologia utilizada, mas há dois arquivos que parecem enigmáticos (microdados e dicionário de dados) mas sobre os quais aqueles que um dia refletiram sobre o que é um “discurso” ou a “verdade” podem tirar algumas conclusões.

Os dados se referem a 3810 respostas espalhados pelas regiões (como foi a seleção? quantos se negaram a responder? como foi a abordagem e a entrevista? ). Interpretando os dois arquivos, percebe-se que além do perfil sócio-econômico, uma pergunta sobre participação no bolsa-família e uma seção sobre quais seriam os problemas prioritários e secundários do país, foram apresentadas frases aos candidatos que deveriam discordar, concordar, se dizer neutro ou não saber, mas também “concordar parcialmente” ou “discordar parcialmente”. Essas duas últimas me parecem respostas extremamente fluidas e imprecisas – e é justamente onde podemos perceber a dúvida, quem sabe o constrangimento diante da pergunta do entrevistador, um “não é bem assim”, ou mesmo uma saída fácil para se livrar logo do chato que te parou no meio da rua. Me propus então a fazer uma  breve pesquisa sobre a pesquisa. Destaquei algumas perguntas e anotei só as respostas “discorda totalmente”, e em alguns casos somei todas as respostas diferentes de “concorda”. (E nisso, vocês podem perceber que já fiz uma escolha na forma de apresentar os “dados”)

Vejamos o que consegui pescar por ali:

– “Um homem pode xingar e gritar com sua própria mulher” – 2910 discordam totalmente, somados a todos os demais que não marcaram concordar, são 3.660, ou 96%.

– “É da natureza do homem ser violento.” – 2357 discordam totalmente. Só 388 afirmaram concordar contra os demais 89%.

– “A mulher casada deve satisfazer o marido na cama, mesmo quando não tem vontade.” – 2056 discordam totalmente.

– “A mulher que apanha em casa deve ficar quieta para não prejudicar os filhos.” – 2660 discordam, 3545, ou 93% não concordam com essa frase.

– “A questão da violência contra as mulheres recebe mais importância do que merece”. Essa resposta parece especialmente interessante para refletir, pois apesar da frase mal elaborada, trata-se de 2166 pessoas que julgam que essa é uma questão importante, o que já desdiz o isolamento da resposta dada à famigerada frase sobre “merecer” o “ataque”. 89% é o percentual dos que não marcaram “concordar” com essa frase ou, em outras palavras, que acham que existe uma questão da violência e que merece atenção.

De uma forma geral, a todas as frases que incitam e provocam violência e obscurantismo entre os gêneros, as respostas “concorda” oscilaram entre 150 e 500, ou 4 a 13%. A questão da homofobia aparece também em outras frases, e aí o obscurantismo foi mais acentuado, apontando por exemplo 32% de discordância de que casais do mesmo sexo tenham os mesmos direitos.

E para fechar, respirando com alívio, a duas perguntas que  incidem sobre o racismo, esses são os resultados. “Piada de preto é só brincadeira, não é racismo.” – 1564 discordam totalmente. Vale a pena observar que apenas 579 concordam, em contraponto aos demais 3231, o que parece um índice interessante de como o país tem mudado na conscientização sobre o racismo. À pérola “as mulatas são mais fogosas do que as mulheres brancas”, 3214 deram respostas diferentes de “concorda”. Ou, para colocar um %: 84% não disseram sim a essa frase. Cerca de 60% dos entrevistados é de pretos e pardos, e, embora não saibamos se essa foi uma autodeclaração ou uma classificação da perspectiva do entrevistador, constitui aí sim algo próximo da realidade vivida e sentida por nós. Enfim, a percepção social daqueles com quem partilhamos o país merece melhor tratamento.”

Ivana Stolze Lima

Leia mais no blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos:

Especialistas em gênero criticam crenças machistas evidenciadas por pesquisa do Ipea
Para discutir o tema, convidamos a historiadora Cristina Scheibe Wolff e a advogada e linguista Débora de Carvalho Figueiredo, da UFSC.

Leia em História, Ciências, Saúde – Manguinhos:

Edição “Gênero  e Ciências” (v.15,  supl.0, 2008)

Saiba mais sobre a pesquisa do Ipea:

Errata do Ipea da pesquisa “Tolerância social à violência contra as mulheres”

Crianças e adolescentes são 70% das vítimas de estupro

Nota Técnica apresentada no Ipea analisou dados do Sistema de Informações de Agravo de Notificação do Ministério da Saúde

Como citar este post [ISO 690/2010]:
Ivana Stolze Lima questiona pesquisa do Ipea sobre tolerância à violência contra mulheres. Blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos. [viewed 8 April 2014]. Available from: http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/ivana-stolze-lima-critica-pesquisa-do-ipea-sobre-tolerancia-a-violencia-contra-mulher/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *