Indígenas nas estatísticas nacionais de saúde

Abril/2015

indigenasApesar de contar com uma população muito diversificada e com um crescimento importante nos últimos anos, segundos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os indígenas no Brasil ainda sofrem com desigualdades sociais que acabam afetando a saúde dessa sociedade. É com este foco que a Ensp promoverá a terceira atividade do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos, no dia 8 de abril, com o tema Indígenas nas estatísticas nacionais de saúde. Para debater a questão foram convidados os pesquisadores da Escola Andrey Moreira Cardoso e Carlos Coimbra Jr. e a pesquisadora do IBGE Nilza Pereira. O encontro está marcado para 13h30, no salão internacional da Ensp e é aberto a todos os interessados.

Em entrevista para o Informe Ensp, o pesquisador da Escola e coordenador do Grupo de Trabalho Demografia dos Povos Indígenas no Brasil da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep), Ricardo Ventura Santos, que está responsável por esta edição do Ceensp, ressalta que os dados do IBGE sobre essa população são fundamentais para a elaboração de políticas públicas voltadas para eles.

Dados do IBGE

Desde 1991 o Censo Demográfico coleta dados sobre a população indígena brasileira, com base na categoria indígena do quesito cor ou raça. O Censo 2000 revelou um crescimento da população indígena muito acima da expectativa, passando de 294 mil para 734 mil pessoas em apenas nove anos. Esse aumento expressivo não poderia ser compreendido apenas como um efeito demográfico (ou seja, devido à mortalidade, natalidade e migração), mas a um possível crescimento no número de pessoas que se reconheceram como indígenas, principalmente nas áreas urbanas do país. Com mais de 240 povos indígenas, o Censo IBGE 2010 informa que essa população conta com 896.917 pessoas. Destes, 324.834 vivem em cidades e 572.083 em áreas rurais, o que corresponde aproximadamente a 0,47% da população total do país.

Fontes: IBGE e Informe Ensp

Leia em HCS-Manguinhos:

O Sesp nunca trabalhou com índios”: a (in)visibilidade dos indígenas na atuação da Fundação Serviços de Saúde Pública no estado do Amazonas, artigo de Amandia Braga Lima Sousa e Júlio César Schweickardt (vol.20, no.4, dez 2013)

O mundo e o conhecimento sustentável indígena, artigo de André Fernando, (vol.14, supl.0, dez 2007)

Globalização e ambientalismo:etnicidades polifônicas na Amazônia, artigo de Luiza Garnelo e Sully Sampaio (vol.12, n.3, 2005)

Ñande Ru Marangatua judicialização da luta pela terra indígena e o papel do cientista, artigo de Thiago Leandro Vieira Cavalcante (vol.17, no.2, Jun 2010)

A emergência da medicina tradicional indígena no campo das políticas públicas, artigo de Luciane Ouriques Ferreira (vol.20, no.1, jan./mar. 2013)

Leia no blog de HCS-Manguinhos:

Antropóloga defende diálogo para articular medicinas indígenas e sistema de saúde – Entrevista com Luciane Ouriques Ferreira

As ciências e os saberes indígenas na Companhia de Jesus – Eliane Cristina Deckmann Fleck discute a contribuição dos jesuítas ao desenvolvimento científico da América Platina.

Leave a Reply