HCSM junta-se ao coro contra o ataque de Jeffrey Beall ao SciELO

Agosto/2015

História, Ciências, Saúde – Manguinhos junta-se ao coro contra o ataque de Jeffrey Beall ao SciELO. Causou reação na rede o texto de Jeffrey Beall, bibliotecário da Biblioteca Auraria da Universidade do Colorado, publicado em seu blog com o título “Seria o SciELO a favela das publicações? (http://scholarlyoa.com/2015/07/30/is-scielo-a-publication-favela/). Trata-se basicamente de um ataque a plataformas de Acesso Aberto, como Scielo e Redalyc, e uma defesa dos publishers comerciais. Em suma, defende que só o que é pago pode ser bom e ter prestígio, além de demonstrar enorme desconhecimento sobre a dimensão do SciELO, o profissionalismo que confere às equipes editoriais da coleção e a preocupação com a questão dos direitos autorais e o trabalho de expansão de sua abrangência e visibilidade internacional. Como nos mostra Hebe Vessuri e colaboradores,[1] o Acesso Aberto tornou-se uma ‘marca’ das publicações latino-americanas em seu empenho de se internacionalizar, obedecendo à conformação da pesquisa acadêmica realizada na região (em que o Estado é um importante ator no fomento às ciências), e apresentando um modelo alternativo ao estabelecido pelos grandes publishers comerciais no eixo Norte-Atlântico, sobretudo no mundo anglo-saxão. O Fórum de Editores das Revistas Brasileiras de Saúde Coletiva e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), ao qual pertence História, Ciências, Saúde – Manguinhos divulgou ontem uma oportuna moção de repúdio às firmações de Beall (http://blog.scielo.org/blog/2015/08/02/mocao-de-repudio-ao-ataque-classista-do-sr-jeffrey-beall-ao-scielo/). Queremos chamar atenção aqui para essa defesa bem-posicionada do Fórum e sublinhar a pertinência de sua atitude. Segundo a carta, o texto de Beall é de teor “preconceituoso, classista, imperialista e argentário”, opinião que subscrevemos por completo. O bibliotecário, mais conhecido por circular uma lista de periódicos que chamou de ‘predatórios’ – coincidentemente todos de acesso aberto – mostra uma postura etnocêntrica ao considerar como de validade geral o modelo que vigora na realidade em que vive. A ‘boa vizinhança’ que o norte-americano contrasta com a ‘favela’ seria representada pelos publishers comerciais, supostamente mais zelosos na indexação, divulgação e distribuição dos seus periódicos.“Lembramos que favelas são onde boa parte da população brasileira, usuária do SUS e financiadora em última instância da própria ciência brasileira, reside”, ressalta a carta da Abrasco. Acrescentamos ainda que se representam um sintoma da profunda exclusão social que singra as metrópoles brasileiras, por outro lado as favelas podem também ser tomadas como epitome da criatividade de uma população que busca viver e se expressar dentro desse regime de desigualdade, de onde brota uma cultura viva, complexa e instigante. Também por esse motivo engrossamos o coro ‘Viva a Favela’. E subvertendo antropofagicamente a visão colonialista e etnocêntrica de Beall, afirmamos que o SciELO é a favela das publicações científicas, se com isso a compreendemos como o lugar que representa um modelo de vida e sociabilidade contraposto àquele que segrega e persuade pelo poder econômico. A coleção SciELO representa uma forma criativa de se situar no mundo extremamente competitivo da ciência internacional, empunhando a bandeira do Acesso Aberto. A prova de quão bem-sucedido ele é, nos mostra os ataques inflamados que provoca, como este do mal informado Jeffrey Beall. Além da acertada moção de repúdio da ABRASCO, outros textos igualmente pertinentes em defesa do SciELO e do Acesso Aberto encontram-se aqui: A área cercada da ‘boa’ vizinhança da publicação de Jeffrey Beall http://blog.scielo.org/blog/2015/08/01/a-area-cercadada-boa-vizinhanca-da-publicacao-de-jeffrey-beall/ Dominique Babini https://plus.google.com/112519487285412484806/posts/ewjKbPHhomP ; [1] VESSURI, Hebe; GUÉDON, Jean-Claude; CETTO, Ana María. Excellence or quality? Impact of the current competition regime on science and scientific publishing in Latin America and its implications for development. Current Sociology, p. 0011392113512839, 2013. Leia mais: Jeffrey Beall e as listas negras Hooman Momen, editor do Portal de Periódicos Fiocruz, responde a crítica de bibliotecário que comparou SciELO a “favela de publicações”  

No comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Produção científica > Acesso Aberto | Content Mind - [...] HCS-Manguinhos  junta-se ao coro contra o ataque de Jeffrey Beall ao SciELO Causou reação na rede o texto do…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *