Hanseníase no Amazonas

Dezembro/2015

A história e as políticas para a hanseníase no estado do Amazonas da segunda metade do século XIX até 1978, quando o modelo foi desconstruído, é o tema do artigo de Julio Cesar Schweickardt, pesquisador do Instituto Leônidas e Maria Deane/Fiocruz Amazônia, e Luena Matheus de Xerez, psicóloga na Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas, publicado nesta edição de HCS-Manguinhos (v.22, n.4, out./dez. 2015).

O leprosário Belisario Penna seguia o modelo dos hospitais-colônias no Brasil e no exterior, com um sistema arquitetônico complexo e burocrático. Os pacientes eram levados de barco até a cidade isolada de Paricatuba.

O leprosário Belisario Penna seguia o modelo dos hospitais-colônias no Brasil e no exterior, com um sistema arquitetônico complexo e burocrático. Os pacientes eram levados de barco até a cidade isolada de Paricatuba.

O artigo A hanseníase no Amazonas: política e institucionalização de uma doença apresenta as mudanças históricas das instituições e políticas locais e a relação destas com a política nacional. Os autores analisam como cinco instituições – Umirisal, Dispensário Oswaldo Cruz, Leprosaria de Paricatuba, Colônia Antônio Aleixo, Preventório Gustavo Capanema – executavam a política de combate e controle da hanseníase e cuidavam dos pacientes.

A história da doença no estado é dividida em três fases. A primeira (1889 a 1907) é caracterizada pela migração expressiva ao Amazonas devido ao boom da borracha, e é marcada por dois problemas: não havia instalações separadas para os pacientes e as cidades do interior enviavam seus enfermos à capital. O crescimento da doença neste período foi significativo.

O segundo período (1908-1921) foi marcado pelo relativo isolamento dos pacientes na instituição chamada Umirisal, criada no século XIX para o isolamento dos portadores de varíola.

A terceira fase (1922-1929) foi caracterizada pela propagação da doença, com a necessidade de novas instalações. O período foi marcado pelo início dos trabalhos da Saúde Pública e do Serviço de Profilaxia Rural do Amazonas.

Leia em  HCS-Manguinhos:

A hanseníase no Amazonas: política e institucionalização de uma doença, artigo de Julio Cesar Schweickardt e Luena Matheus de Xerez

Sumário da edição (vol.22 n.4 out./dez. 2015)

Sobre hanseníase, leia também:

Carvalho, Keila Auxiliadora. Discussões em torno da reconstrução do significado da lepra no período pós-sulfônico, Minas Gerais, na década de 1950Hist. cienc. saude-Manguinhos, Abr 2015, vol.22, no.2

Mellagi, André Gonçalves and Monteiro, Yara Nogueira O imaginário religioso de pacientes de hanseníase: um estudo comparativo entre ex-internos dos asilos de São Paulo e atuais portadores de hanseníaseHist. cienc. saude-Manguinhos, Jun 2009, vol.16, no.2 

Castro, Selma Munhoz Sanches de and Watanabe, Helena Akemi Wada Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: memória de idosos. Jun 2009, vol.16, no.2

Leandro, José Augusto. A hanseníase no Maranhão na década de 1930: rumo à Colônia do Bonfim. Jun 2009, vol.16, no.2 

Santos, Vicente Saul Moreira dos.Pesquisa documental sobre a história da hanseníase no Brasil. 2003, vol.10, suppl.1 

Benchimol, Jaime Larry et al. Luta pela sobrevivência: a vida de um hanseniano através da correspondência com Adolpho Lutz. 2003, vol.10, suppl.1

Maciel, Laurinda Rosa et al. Memories and history of Hansen’s disease in Brazil told by witnesses (1960-2000). 2003, vol.10, suppl.1

Moreira, Tadiana Alves. Panorama sobre a hanseníase:quadro atual e perspectivas. 2003, vol.10, suppl.1 

Sarno, Euzenir Nunes. A hanseníase no laboratório. 2003, vol.10, suppl.1 

Joseph, D. George. “Essentially Christian, eminently philanthropic”: The Mission to Lepers in British India. 2003, vol.10, suppl.1

Levison, Julie H. Beyond quarantine: a history of leprosy in Puerto Rico, 1898-1930s. 2003, vol.10, suppl.1

Obregón, Diana. The anti-leprosy campaign in Colombia:the rhetoric of hygiene and science, 1920-1940Hist. cienc. saude-Manguinhos, 2003, vol.10, suppl.1 

White, Cassandra. Carville and Curupaiti: experiences of confinement and community. 2003, vol.10, suppl.1 

Monteiro, Yara Nogueira. Prophylaxis and exclusion:compulsory isolation of Hansen’s disease patients in São Paulo. 2003, vol.10, suppl.1

Oliveira, Maria Leide Wand-del-Rey de et al. Social representation of Hansen’s disease thirty years after the term ‘leprosy’ was replaced in Brazil. 2003, vol.10, suppl.1

Cueto, Marcos and Puente, José Carlos de la. Vida de leprosa: the testimony of a woman living with Hansen’s disease in the Peruvian Amazon, 1947. 2003, vol.10, suppl.1

Pandya, Shubhada S. The First International Leprosy Conference, Berlin, 1897: the politics of segregation. 2003, vol.10, suppl.1

Leia no blog de HCS-Manguinhos:

Ressignificação da lepra é tema de artigo em HCS-Manguinhos
Keila Auxiliadora Carvalho analisa o debate nas páginas dos Arquivos Mineiros de Leprologia na década de 1950

Como citar este post [ISO 690/2010]:

Hanseníase no Amazonas. Blog de HCS-Manguinhos. [viewed 28 December 2015]. Available from: http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/hanseniase-no-amazonas

 

Leave a Reply