Epidemia de zika remete à rubéola e à discussão sobre aborto como ato médico

Janeiro/2016

Ilana Löwy

Ilana Löwy

No ano de 2015, mais de 3 mil casos suspeitos de microcefalia em recém-nascidos foram notificados em 21 estados brasileiros, contra 147 casos diagnosticados em 2014, de acordo com o Ministério da Saúde. Cientistas brasileiros demonstraram a ligação entre os casos e a infecção das mães, durante a gravidez, pelo vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti – o mesmo que transmite dengue e chikungunya. Diante desta emergência sanitária, as mulheres estão sendo aconselhadas a adiar o projeto de ter filhos.

Nesta entrevista ao blog de HCS-Manguinhos, a professora Ilana Löwy, do Instituto Nacional de Saúde e de Pesquisa Médica de Paris, traça um paralelo entre a atual epidemia de zika no Brasil e os surtos de rubéola em épocas passadas, que motivaram a realização de inúmeros abortos ilegais e estimularam a descriminalização da prática na Europa. No Brasil, a possibilidade de as mulheres grávidas infectadas por zika terem a opção de aborto seletivo ainda não está em discussão. O aborto só é legal no país em casos de estupro, anencefalia ou risco de vida da mãe.

Quais são os paralelos entre epidemias zika e surtos de rubéola de 1940, 50 e 60?

A infecção por rubéola lembra, em muitos aspectos, a infecção por zika. A rubéola é também uma doença leve, manifestando-se como febre e erupção cutânea, geralmente sem qualquer perigo para a pessoa doente, mas muito perigosa para o feto. Mulheres infectadas com o vírus da rubéola no primeiro trimestre da gravidez correm um alto risco de dar à luz uma criança com deficiências fetais graves. O vírus da rubéola ataca o sistema neural central do feto e pode induzir a cegueira, a surdez, a combinação de ambos, problemas neurológicos e microcefalia. É impossível prever a extensão de tais malformações: algumas crianças nascem saudáveis, algumas têm deficiência sensorial e outras têm problemas neurológicos e cognitivos graves.

Qual foi a reação dos médicos europeus a estes surtos de rubéola?

Muitas mulheres que contraíram rubéola e estavam cientes das ligações entre a doença e o risco elevado de malformações fetais desejavam interromper a gravidez. Na década de 1940, 50 e 60, o aborto foi criminalizado na Europa Ocidental. Médicos que realizavam abortos arriscavam-se a ser presos e perder suas licenças médicas. Os médicos divergiam sobre o possível comprometimento fetal e o aborto. No entanto, as mulheres britânicas e francesas que foram infectadas com rubéola durante a gravidez e queriam abortar quase sempre conseguiam encontrar um médico disposto a enfrentar as interdições legais e realizar o ato, fosse em um consultório particular ou, na grande maioria dos casos, em um hospital público. Um artigo publicado no British Medical Journal em 1959, portanto dez anos antes da legalização do aborto no Reino Unido, mostra que o aborto se tornara um tratamento de rotina para mulheres infectadas com rubéola no início da gravidez.

Qual a relação entre as epidemias de rubéola e a descriminalização do aborto?

As epidemias de rubéola e a ampla aceitação do aborto para as mulheres estressadas e temerosas que haviam contraído a doença no início da gravidez ajudaram a “normalizar” o aborto e a trazê-lo para a medicina convencional. Antes, o aborto era visto como prática “desviante”, utilizada por mulheres “perdidas”, promíscuas, envolvidas em relações extraconjugais, marginalizadas ou negras. Este ponto de vista era inteiramente falso. Antes, como hoje, o aborto era frequente inclusive entre mulheres de classe média e mulheres casadas, já com filhos. Mas como era uma atividade ilegal, sua alta frequência entre mulheres “respeitáveis” permaneceu invisível.

A epidemia de rubéola levou os médicos a realizarem abortos em mulheres de seu meio e classe social. As mulheres tratadas por eles poderiam ter sido suas esposas, irmãs, filhas, e às vezes eram. Os médicos também perceberam que as mulheres pobres sofreram de forma desproporcional as consequências dos abortos ilegais. A interrupção da gravidez em casos de infecção por rubéola ajudou a inserir o aborto na medicina convencional, mudou a imagem deste ato médico e facilitou a sua legalização na Europa Ocidental e na América do Norte.

Leia em HCS-Manguinhos:

Löwy, Ilana. Cancer, women, and public healththe history of screening for cervical cancer. July 2010, vol.17, suppl.1

Löwy, Ilana. Representação e intervenção em saúde pública: vírus, mosquitos e especialistas da Fundação Rockefeller no Brasil. Fev 1999, vol.5, no.3

Löwy, Ilana. Les métaphores de l’immunologie: guerre et paix. June 1996, vol.3

Löwy, Ilana. Ludwik Fleck e a presente história das ciências. Out 1994, vol.1, no.1

Leia também em HCS-Manguinhos:

Silva, Marinete dos Santos. Reprodução, sexualidade e poder: as lutas e disputas em torno do aborto e da contracepção no Rio de Janeiro, 1890-1930. Dez 2012, vol.19, no.4

Leia no blog de HCS-Manguinhos a entrevista original em inglês:

Zika virus and rubella: similarities and differences
Researcher Ilana Löwy, from the Institut National de la Sante et de la Recherche Médicale Paris, traces a parallel between the current zika epidemics in Brazil and past rubella outbreaks.

No comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Nursing Clio The New Rubella: Zika and What it Means for Abortion Rights - [...] Historians, journalists, and public health officials have begun to call Zika the new rubella (German measles). When a pregnant ...

Leave a Reply