Entre neurônios e sinapses: contribuições de Cajal e Athias para a medicina ibérica nos séculos XIX e XX

Junho/2017

Santiago Ramón y Cajal (à esquerda) e Marck Athias

A confluência dos percursos científicos de dois médicos ibéricos contemporâneos, Santiago Ramón y Cajal (1852-1934) e Marck Athias (1875-1946), para a consolidação de um programa experimental em torno da histologia nervosa é o tema do artigo Entre neurônios e sinapses: as contribuições de Cajal e Athias para a medicina ibérica entre os séculos XIX e XX, de Isabel Amaral, Maria Inês Nogueira e Francisco Rômulo Monte Ferreira, publicado em HCS-Manguinhos (vol.24, no.1, jan./mar. 2017).

“Vários trabalhos têm sido publicados sobre ambos, com destaque para o médico espanhol, pelo que este artigo confere mais detalhe às suas contribuições cruzadas, no domínio da consolidação da teoria neuronal para a ciência espanhola, e, concomitantemente, na modernização da medicina portuguesa influenciada pelo ideal de apostolado científico laico, advogado por Ramón y Cajal. Nesse contexto procuramos revisitar as contribuições de Athias, menos divulgadas e conhecidas pelos historiadores, e que terão atraído a atenção de Ramón y Cajal. Em simultâneo avaliaremos a influência de Ramón y Cajal em Athias, que, em paralelo com a defesa do modelo alemão de universidade, terá contribuído para a criação de uma escola de investigação em histologia e embriologia, que esteve na origem das principais reformas médicas que ocorreram em Portugal nas primeiras décadas do século XX”, explicam os autores.

No artigo, eles procuram enquadrar esta temática na discussão historiográfica recente dos conceitos “centro” e “periferia” europeus, olhando para a construção e validação global do conhecimento científico, e não para uma demarcação meramente histórica ou geográfica.

Leia em HCS-Manguinhos:

Entre neurônios e sinapses: as contribuições de Cajal e Athias para a medicina ibérica entre os séculos XIX e XX, de Isabel Amaral, Maria Inês Nogueira e Francisco Rômulo Monte Ferreira, publicado em HCS-Manguinhos (vol.24, no.1, jan./mar. 2017).

Leave a Reply