‘Entender o contexto social da saúde e da doença é crucial’

Maio/2016

Vivian Mannheimer / Blog de HCS-Manguinhos

Joao_Wellcome

João Rangel de Almeida

A revista HCS-Manguinhos foi recentemente contemplada pela Wellcome Trust com um financiamento para apoiar a sua estratégia de internacionalização.

De acordo com João Rangel de Almeida, gerente de desenvolvimento das áreas de Humanidades e Ciências Sociais da fundação, a concessão tem como objetivo fortalecer a  posição da revista como um centro na América Latina para a história da medicina.

“Como uma voz do sul global, Manguinhos é um projeto estimulante que trará diversidade epistemológica para o já vibrante ecossistema de pesquisas em humanidades médicas no Brasil. Sob a liderança de André Felipe Cândido da Silva, Marcos Cueto e Roberta Cardoso Cerqueira, a revista criou um plano ambicioso de quatro anos sustentado por um compromisso com a qualidade”, afirma.

Conversamos com ele sobre o seu trabalho e o perfil dos projetos financiados pela Wellcome Trust nas áreas de humanidades médicas e ciências sociais.

Qual é a importância das humanidades e das ciências sociais para a prática médica contemporânea e as iniciativas em saúde pública?

As ciências humanas e sociais são um componente crucial para a compreensão e a melhoria da saúde. Para a Wellcome Trust, não é suficiente apoiar o desenvolvimento de medicamentos e vacinas. Se não entendemos o contexto social da saúde e da doença, práticas e tecnologias médicas tendem a falhar. Os recentes surtos de Ebola são um bom exemplo: os esforços iniciais de controle de epidemia não atingiram os objetivos esperados até haver uma compreensão clara das práticas funerárias entre as comunidades afetadas.

A Wellcome acredita que é crucial entender o contexto social da saúde e da doença. Por isso, apoiamos pesquisadores que trabalham em uma infinidade de projetos em diferentes culturas e cronologias. Os financiamentos da Wellcome Trust apoiam trabalhos empíricos e teóricos que se estendem desde a bioarqueologia aos problemas bioéticos globais contemporâneos. Precisamos de uma multiplicidade de perspectivas para melhorar a saúde.

O que você espera como “engajamento público” nas propostas de pesquisa que avalia?

Engajamento público é um componente decisivo de qualquer grande projeto apoiado pela Wellcome. Vemos engajamento público como uma colaboração frutífera entre pesquisadores e públicos. Por um lado, o público molda agendas de pesquisa e descobertas. Por outro, ao se envolver com a pesquisa, os públicos experimentam novas formas de compreender as realidades médicas. Isso permite o surgimento de cidadãos críticos mais bem preparados para a prática médica e para ter voz. A Fundação tem como objetivo apoiar um modelo de engajamento público que vai além dos tradicionais eventos de divulgação de resultados. Procuramos financiar programas de engajamento público que identifiquem diferentes públicos e desenvolvam ações para cada um deles.

Poderia dar exemplos de projetos de pesquisa apoiados em países de baixa e média renda?

Não temos uma agenda específica para países de baixa e média. Nosso objetivo é apoiar os melhores pesquisadores de todo o mundo, que podem ser localizados no Brasil, África do Sul, o Reino Unido ou a Índia. A Wellcome apoia a pesquisa visionária em ciências humanas e sociais que trate de qualquer aspecto da saúde humana ou animal.

Pesquisadores ligados a instituições de pesquisa de qualquer país podem se candidatar a um de nossos sete tipos de financiamento. Os comitês não levam em consideração de que país vêm as propostas, mas sim outros critérios. Por outro lado, prestamos muita atenção à instituição e analisamos o ambiente de pesquisa para avaliar a correspondência entre a pesquisa proposta e os apoios já à disposição da equipe.

Alguns exemplos: Dr Jantina De Vries (Universidade de Cape Town) recebeu um pequeno financiamento  para desenvolver um modelo de melhores práticas em genômica e um biobanco na África, enquanto Ricardo Ventura Santos (Fundação Oswaldo Cruz) realizou um workshop sobre concepções raciais nos países de língua portuguesa do sul global no século XX. Na África do Sul, Jo Vearey (Universidade de Witwatersrand) recebeu uma bolsa de três anos para pesquisar a política e a economia no contexto da migração populacional e a prevalência de doenças transmissíveis na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral. Desde a organização de workshops até a realização de programas de pesquisa em grande escala,  a Wellcome oferece uma infinidade de programas que financia grupos de pesquisa em todo o mundo.

A Wellcome Trust procura temas específicos de pesquisa?

A Wellcome não tem uma agenda de pesquisa em si. Wellcome procura ideias visionárias. Apoiamos a pesquisa conceitual ou aplicada, normativa ou empírica. Pode ser fundamentada nas metodologias de apenas uma disciplina ou na intersecção de muitas. Financiamos programas de pesquisa que terão impacto imediato ou a longo prazo e contribuirão para a nossa missão de melhorar a saúde.

Saiba mais:

Wellcome Trust

Leia no Blog de HCS-Manguinhos a entrevista original em inglês:

“It is crucial to understand the social context of health and disease”

Leia em HCS-Manguinhos:

A ciência e seus públicos – Suplemento temático de HCS-Manguinhos. Volume 20, nov. 2013.

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

Publicação faz análise comparativa de políticas públicas para desenvolver a cultura científica na América Latina

 

Leave a Reply