Dona Ivone Lara: enfermeira, a Rainha do Samba participou da luta antimanicomial

Abril/2018

Dona Ivone Lara no Hospital Engenho de Dentro (RJ), onde exerceu as profissões de enfermeira e assistente social

Pouca gente sabe que Dona Ivone Lara, nossa Rainha do Samba, falecida nesta terça-feira, 17 de abril, teve participação importante na história da Luta Antimanicomial e nos serviços sociais e de saúde pública no Brasil. Formada em Enfermagem e Serviço Social, com especialização em Terapia Ocupacional, ela trabalhou como enfermeira e assistente social em hospitais psiquiátricos de 1947 a 1977, e atuou no Serviço Nacional de Doenças Mentais com a doutora Nise da Silveira, uma das principais referências da luta antimanicomial no Brasil.

Com a finalidade de resgatar vínculos, Dona Ivone percorria quilômetros de estrada pelos municípios do Rio e estados vizinhos localizando mães, pais, avós e tios que haviam abandonado seus familiares no hospital, quando acreditavam que não havia mais nada a ser feito por eles – diagnóstico que, muitas vezes, ouviam dos próprios médicos. (Fontes: Facebook/Jornalistas Livres e Jornal do Brasil)

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

Enfermagem dava mobilidade social a mulheres negras em meados do século XX
Projeto coordenado por Luiz Otávio Ferreira estudou 934 prontuários de três escolas num período de 40 anos

Artigo analisa cartazes do Dia Nacional da Luta Antimanicomial
O slogan é o mesmo, mas as estratégias discursivas são diferentes

Saúde mental é tema de edição de HCS – Manguinhos
Edição marca o 15º aniversário da lei da reforma psiquiátrica

Leia em HCS-Manguinhos:

Comunicação e saúde mental: análise discursiva de cartazes do Movimento Nacional de Luta Antimanicomial do Brasil, artigo de Wanda Espirito Santo, Inesita Soares de Araujo e Paulo Amarante (vol.23, n.2, abr./jun. 2016)

Campos, Paulo Fernando de Souza. Memorial de Maria de Lourdes Almeida: história e enfermagem no Brasil pós-1930. Jun 2013, vol.20, no.2

Padilha, Maria Itayra et al. Tendências recentes da produção em história da enfermagem no Brasil. Jun 2013, vol.20, no.2

Ayres, Lílian Fernandes Arial et al. As estratégias de luta simbólica para a formação da enfermeira visitadora no início do século XX. Set 2012, vol.19, no.3

Padilha, Maria Itayra, Nelson, Sioban and Borenstein, Miriam Susskind As biografias como um dos caminhos na construção da identidade do profissional da enfermagem. Dez 2011, vol.18, suppl.1

Silva, Tânia Maria de Almeida and Ferreira, Luiz Otávio A higienização das parteiras curiosas: o Serviço Especial de Saúde Pública e a assistência materno-infantil (1940-1960). Dez 2011, vol.18, suppl.1

Faria, Lina and Santos, Luiz Antonio de Castro As profissões de saúde: uma análise crítica do cuidar. Dez 2011, vol.18, suppl.1

Santos, Luiz A. de Castro. A duras penas: estratégias, conquistas e desafios da enfermagem em escala mundial. Mar 2008, vol.15, no.1

Cytrynowicz, Roney. A serviço da pátria: a mobilização das enfermeiras no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial. Jun 2000, vol.7, no.1

Sanna, Maria Cristina. Clarice Della Torre Ferrarini: o depoimento de uma pioneira da administração em enfermagem no Brasil. Dez 2003, vol.10, no.3

Moreira, Martha Cristina Nunes. A Fundação Rockefeller e a construção da identidade profissional de enfermagem no Brasil na Primeira República. Fev 1999, vol.5, no.3

Vessuri, Hebe M. C. Enfermería de salud pública, modernización y cooperación internacional: El proyecto de la Escuela Nacional de Enfermeras de Venezuela, 1936-1950. Dic 2001, vol.8, no.3

Leave a Reply