Depois do incêndio, registros de importância ímpar

Junho/2019

Ricardo Ventura Santos

Para comemorar os 25 anos da revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, pedimos a pessoas chave nessa história que nos dessem depoimentos sobre a sua participação nela até aqui. Para Ricardo Ventura Santos, pesquisador titular da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz) e professor titular do Departamento de Antropologia do Museu Nacional da UFRJ, a revista tem uma importância única, especialmente depois do incêndio que destruiu o Museu, onde realizou tanta pesquisa.

“Tenho uma excelente memória do meu primeiro contato com a revista, que aconteceu no volume 1, número 1, em 1994. Meu querido amigo Marcos Chor Maio e eu publicamos no fascículo inaugural da revista uma resenha do livro “O Espetáculo das raças”, de Lilia Schwarcz, que havia sido lançado em 1993.

Ao longo dos anos tive a oportunidade de publicar, conjuntamente com vários colegas, diversos trabalhos na revista, alguns dos quais relacionados a análises histórico-antropológicas de materiais do Setor de Antropologia Biológica do Museu Nacional. Destacaria “Arquivo de Antropologia Física do Museu Nacional: fontes para a história da eugenia no Brasil” (volume 16, no. 3) e “Crânios, corpos e medidas: a constituição do acervo de instrumentos antropométricos do Museu Nacional na passagem do século XIX para o XX” (volume 15, no. 1). Devido ao incêndio de 2018 que destruiu parte importante das coleções do Museu, não me parece demais afirmar que esses trabalhos sobre o acervo de antropologia biológica se tornaram registros históricos de particular importância, ímpares.”

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

HCS-Manguinhos comemora os seus 25 anos com workshop 
O presente e o futuro das publicações científicas de história serão a pauta de encontro de 26 a 28 de junho no Rio de Janeiro

Nelson Sanjad: “HCS-Manguinhos contribuiu para a profissionalização do fazer editorial no Brasil”
Para o pesquisador, que é editor adjunto desde 2015, a influência exercida pela revista no cenário editorial brasileiro foi muito positiva para elevar o patamar de qualidade das revistas científicas na área das ciências humanas.

Paulo Gadelha: ‘História, Ciências, Saúde – Manguinhos é joia preciosa da Fiocruz’
Ex-presidente da Fiocruz dirigia a Casa de Oswaldo Cruz quando a revista foi lançada, em 1994

 

Nara Azevedo: entusiasta da criação de uma revista única em seu campo
Quando foi diretora da Casa de Oswaldo Cruz, a pesquisadora conseguiu um orçamento específico para que a revista pudesse produzir versões de artigos em inglês, com o objetivo de lançar a revista em uma plataforma internacional

Cecilia Minayo: ‘Que outros 25 anos venham, pois a história não para’
“Há duas formas de avaliar uma publicação científica: sua periodicidade e adequação aos melhores parâmetros da produção científica; e seu conteúdo e contribuição para a ciência e a sociedade. História, Ciências, Saúde – Manguinhos cumpre maravilhosamente essas duas funções, tornando-se hoje preciosamente indispensável”, declara a professora.