De volta ao Rio: Pereira Passos

Setembro/2013

Um dos mais marcantes prefeitos que o Rio de Janeiro já teve, Pereira Passos ganha uma exposição a partir do próximo dia 25 de setembro, na Galeria do Centro Cultural Light. Prefeito do então Distrito Federal de 1903 a 1906, ele esteve à frente de projetos como a estrada de ferro do Corcovado, a reconstrução do Palácio Monroe, o Obelisco na Avenida Central, a Avenida Atlântica, o túnel do Leme com acesso para Copacabana, o mercado Municipal na Praça XV e a Escola Nacional de Belas Artes.

A exposição, no entanto, contará detalhes pouco conhecidos da trajetória da vida de Pereira Passos, que vão além de sua passagem pela prefeitura do Rio, como a origem de sua família, na cidade de São João Marcos, suas viagens à Europa e alguns de seus escritos.  A noite de inauguração marca o primeiro evento externo do projeto do Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos, concebido com o objetivo de resgatar a memória desta cidade desaparecida do mapa durante o Governo Vargas, e onde Pereira Passos nasceu.

Francisco Pereira Passos teve sua origem numa importante família do interior do Rio de Janeiro e sua formação inicial se deu em São João Marcos, no auge do ciclo do café. O contraste entre a vida no interior escravagista do Rio de Janeiro e a moderna Europa, onde foi estudar ainda jovem, certamente influenciou não apenas suas visões políticas, mas sua própria concepção de cidadania.

Suas contribuições para o país vão além do “Bota-Abaixo” efetuado no Rio de Janeiro durante seu mandato como prefeito. Ele foi um importante engenheiro, responsável pela abertura de diversas estradas de ferro no Brasil, além de ter tomado importantes medidas para remediar a falta de água e saneamento na cidade.

Colega de escola de nomes como Floriano Peixoto e Oswaldo Cruz, em 1856 ele se formou bacharel em Ciências Físicas e Matemáticas, o que lhe dava o Diploma de Engenheiro Civil. Nesta época, foi colega de turma de Benjamin Constant. Na França, completou sua formação na École de Ponts et Chaussés, onde acompanhou de perto o sonho de transformação da capital francesa com a abertura de largas e extensas avenidas a partir do Arco do Triunfo. O projeto de renovação da cidade de Paris o encantaram e firmam em seu pensamento como solução para inúmeras cidades no Brasil.

Na exposição, que conta com textos assinados por Aloyzio Clemente Breves Beiler, o público poderá conferir ainda detalhes de importantes trabalhos ligados às ferrovias no país, como a Ferrovia Santos – Jundiaí, inaugurada em 1867, a Ferrovia Bagé – Uruguaiana, de 1869, e a Viagem à Europa em companhia do Barão de Mauá para tratar do capital envolvido na construção da Estrada de Ferro São Paulo Railway.

A exposição Pereira Passos – Cidadão de São João Marcos conta ainda com elementos interativos como um mapa do Rio de Janeiro à época das reformas. Ele estará à disposição do público para ser preenchido com imãs contendo imagens de lugares que passaram por transformações durante a gestão de Passos, como o Largo do Machado e a Avenida Central.

Uma iniciativa do Instituto Light, realizada pelo Instituto Cultural Cidade Viva, a exposição ficará em cartaz até o dia 24 de outubro.

Sobre o Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos

Este é um projeto pioneiro no resgate de uma cidade desaparecida há 70 anos.  Ele trás à luz a antiga cidade de São João Marcos – primeira cidade histórica brasileira a ser tombada (1939), posteriormente destombada (1940), por decreto, pelo governo Getulio Vargas, e demolida para o aumento da capacidade do complexo hidrelétrico de Ribeirão das Lajes, que supria a demanda de energia da cidade do Rio de Janeiro e de sua área metropolitana, em constante expansão.

Concebido pelo Instituto Light, com gestão do Instituto Cultural Cidade Viva, apoio da Secretaria de Estado de Cultura, Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – Inepac, Instituto Estadual do Meio Ambiente -Inea, Prefeitura de Rio Claro, e Eletronuclear, o Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos ocupa um espaço de 930 mil m², que cobre toda a área da antiga cidade e trechos importantes da então chamada Estrada Imperial, além de áreas de mata e pastos que serão reflorestadas.

Além de trazer de volta a história de uma das mais importantes cidades do Ciclo do Café, conta com uma área de visitação, apoiada por programas educativos, ambientais e de lazer.

Localização: O Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos fica situado na região do Vale do Paraíba, às margens da antiga Estrada Imperial que ligava Mangaratiba à Minas Gerais, no município fluminense de Rio Claro, na estrada RJ 149 (Rio Claro – Mangaratiba), Km 20 Rio Claro – RJ.

Serviço:
De 25 de setembro a 24 de outubro
Galeria do Centro Cultural Light
Av. Marechal Floriano, 168 – Centro
Tel.: 2211 4420
De segunda a sexta, das 11h às 17h
Entrada Franca
Fonte: Café História
Visite o site do Centro Cultural Light
Leia também:
Marcha da Vacina defende campanha de vacinação contra HPV

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *