Conexão Brasil-Alemanha

Novembro/2015

premio_rochalima2

Henrique da Rocha Lima. Foto: Fiocruz

No decorrer do século 20, grande parte das cooperações científicas do Brasil com o exterior foi feita espontaneamente, sem formalização ou chancela do Estado. Em 1901, Henrique da Rocha Lima, um dos jovens cientistas que auxiliavam Oswaldo Cruz no Instituto Soroterápico de Manguinhos (embrião da atual Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz), embarcou para Berlim com intuito de completar seus estudos em medicina. Tornou-se o principal articulador desse intercâmbio. “Cooperar e competir representam duas dimensões constitutivas do fazer científico desde que este se organizou como prática autolegitimada”, avalia o historiador e pesquisador André Felipe Cândido da Silva, da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz , editor científico da revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos. Leia a reportagem completa na Revista de Manguinhos: Fio da História: Conexão Brasil-Alemanha Cooperação espontânea marca a relação científica entre os dois países no início do século 20 Leia em HCS-Manguinhos: Dossiê Brasil – Alemanha: relações médico-científicas Leia no Blog de HCS-Manguinhos: Germanofilia de Rocha Lima marcou sua ‘persona’ científica Para André Felipe Cândido da Silva, o cientista não ficou famoso por causa da sua ligação com a medicina germânica inclusive durante o nazismo. Rocha Lima: germanofilia e intercâmbio científico Promotor das relações médico-científicas entre Brasil e Alemanha na primeira metade do século XX, ele teve sua postura política questionada Pai da eugenia no Brasil ficou obscuro na história Defensor da ‘higiene racial’, o médico Renato Kehl assumiu a propaganda eugênica como missão política e intelectual entre 1917 e 1940 Se é Bayer… Empresa alemã usava periódicos para promover seus produtos entre médicos e farmacêuticos brasileiros na primeira metade do século XX Os inimigos invisíveis do império alemão Imprensa em língua alemã ‘combatia’ doenças tropicais em colônias na África e no Brasil Brasil: paraíso ou inferno No artigo “Insalubridade, doenças e imigração: visões alemãs sobre o Brasil”, Karen Macknow Lisboa investiga escritos de viajantes alemães envolvidos com a questão imigratória desde o contexto do Império alemão até a ascensão do nazismo e o III Reich. Cooperação científica do Brasil com a França e a Alemanha entre 1919 e 1940 é tema de estudo Magali Romero Sá investiga diferenças nos relacionamentos com os dois países Pontes continentais? As teorias do cientista alemão Hermann von Ihering são discutidas em artigo de Maria Margaret Lopes e Irina Podgorny Diplomatas no laboratório Projeto investiga o intercâmbio científico entre o Brasil e a Alemanha nazista    

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *