Chernoviz e a medicina popular do Império, Aedes e febre amarela e a sexologia no Brasil são temas de lançamentos da Editora Fiocruz

Julho/2016

A Editora Fiocruz promoveu ontem, 21 de julho, na Blooks Livraria, em Botafogo, um lançamento coletivo de sua recente produção editorial. Diversas obras são de autoria de pesquisadores que já publicaram artigos em HCS-Manguinhos. Veja os livros, seus autores e artigos: Civilizando as Artes de Curar: Chernoviz e os manuais de medicina popular do Império Maria Regina Cotrim Guimarães Coleção História e Saúde livro_chernovizAo se encontrarem no Brasil Imperial, a medicina acadêmica e a popular não entraram em rota de colisão. Apesar das tensões e dos distanciamentos entre os dois domínios, havia entre eles vários pontos de intersecção e convivência. Entre os elementos que contribuíram para que as fronteiras não fossem tão rígidas, destacam-se os manuais ou livros de medicina autoinstrutivos, como os de autoria do médico polonês Pedro Luis Napoleão Chernoviz (1812-1881). O papel desses compêndios é analisado nesta obra. Leia em HCS-Manguinhos: Chernoviz e os manuais de medicina popular no Império. Guimarães, Maria Regina Cotrim. Ago 2005, vol.12, no.2 A primeira viagem científica brasileira: a comissão científica do império. Guimarães, Maria Regina Cotrim. Mar 2013, vol.20, no.1   Meu Encontro com os Outros: memórias de José de Albuquerque, pioneiro da sexologia no Brasil Sergio Carrara e Marcos Carvalho (orgs.) Coleção História e Saúde | Selo Clássicos e Fontes livro_sexologiaA sexualidade como função fisiológica e o desejo sexual como necessidade orgânica primária. A educação sexual – para homens e mulheres – como estratégia para solucionar não só o problema das doenças venéreas, mas outros como a desarmonia conjugal e as perversões sexuais. A legitimação e institucionalização da andrologia, a ciência do homem. A crítica à abstinência sexual socialmente imposta às mulheres solteiras e viúvas. Essas eram algumas das ideias defendidas pelo autoproclamado sexólogo e andrologista brasileiro José de Albuquerque, médico que, embora tenha enfrentado tabus, levantado polêmicas e causado rebuliço na elite carioca nos anos 1930, ficou esquecido ao longo das décadas seguintes. Mas agora esse importante personagem da história da sexualidade no Brasil volta à cena com a publicação de sua autobiografia até então inédita. A sífilis e o aggiornamento do organicismo na psiquiatria brasileira: notas a uma lição do doutor Ulysses Vianna. Carrara, Sérgio and Carvalho, Marcos. Dez 2010, vol.17, suppl.2 A psicanálise e a sexologia no Rio de Janeiro de entreguerras: entre a ciência e a auto-ajuda. Russo, Jane Araújo and Carrara, Sérgio Luís. Ago 2002, vol.9, no.2 A geopolítica simbólica da sífilis: um ensaio de antropologia histórica. Carrara, Sérgio, Nov 1996, vol.3, no.3   A Erradicação do Aedes aegypti: febre amarela, Fred Soper e saúde pública nas Américas (1918-1968) Rodrigo Cesar da Silva Magalhães Coleção História e Saúde livro_aedesOnze países e territórios das Américas, inclusive o Brasil, foram declarados oficialmente livres do mosquito Aedes aegypti durante a XV Conferência Sanitária Pan-Americana, realizada em Porto Rico no ano de 1958. Este evento faz parte de um importante capítulo da história da saúde que nos conta este livro, ao analisar o período compreendido entre 1918 e 1968. Em 1918 tinha início a Campanha Mundial de Erradicação da Febre Amarela, conduzida pela Fundação Rockefeller. Em 1968 terminava a Campanha Continental para a Erradicação do Aedes aegypti, lançada em 1947 sob os auspícios da Organização Sanitária Pan-Americana (OSP), hoje conhecida pelo nome de Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Desenvolvimento, ciência e política: o debate sobre a criação do Instituto Internacional da Hiléia Amazônica. Magalhães, Rodrigo Cesar da Silva e Maio, Marcos Chor, Dez 2007, vol.14, supl. 0   Gestão e Políticas Públicas no Cenário Contemporâneo: tendências nacionais e internacionais Telma Menicucci e José Geraldo Leandro Gontijo (orgs.) livro_gestaoUm livro que “oferece um panorama das mudanças, tendências e desafios atuais para a gestão pública e para as políticas públicas”. E mais: que “identifica categorias de análise relevantes para se entender a configuração do Estado, a atuação do governo e suas consequências sobre a sociedade”. Assim pode ser definida esta coletânea. A obra tem 17 capítulos que, apesar de suas singularidades, giram em torno de princípios comuns, como a reafirmação do Estado e de sua centralidade na produção de políticas públicas para o desenvolvimento, o bem-estar e a equidade.   A Linha Curva: o espaço e o tempo da desinstitucionalização Ernesto Venturini Coleção Loucura e Civilização livro_linhacurvaDisse certa vez o célebre arquiteto Oscar Niemeyer: “O que me atrai não é o ângulo reto, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. Me atrai a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos rios, na onda do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito o universo inteiro, o universo curvo de Einstein”. Palavras que inspiraram o título deste livro de Ernesto Venturini, psiquiatra que contribuiu ativamente para a reforma psiquiátrica na Itália. “Com efeito, a desinstitucionalização é como a linha curva de que fala Niemeyer, uma linha oposta à rigidez do pensamento manicomial”, afirma o autor.   O (Des)Aprendizado de Si: transexualidades, interação e cuidado em saúde Rodrigo Borba Coleção Antropologia e Saúde livro_transexO livro evidencia um flagrante descompasso entre o que os serviços de saúde entendem como transexualidade e as variadas formas como as pessoas transexuais efetivamente vivenciam suas identidades no cotidiano. Como consequência, persistem obstáculos discursivos para uma atenção integral e humanizada à saúde de sujeitos transexuais. O autor defende que se reaprenda a cuidar da saúde de sujeitos transexuais, respeitando-os efetivamente como pessoas e valorizando as formas particulares de se vivenciar a transexualidade.   Saúde e Políticas Sociais no Rio de Janeiro Silvia Gerschman e Angela Moulin S. Penalva Santos (orgs.) livro_saude_pol_pubO contexto concreto do estado do Rio de Janeiro, com sua desigual distribuição de benefícios entre pessoas e municípios, é o cenário desta coletânea. Com números, entrevistas, análises históricas e institucionais, o objetivo do livro é tratar o tema das políticas sociais no Rio de Janeiro em duas perspectivas. “A primeira é a análise das políticas de saúde segundo a abordagem da gestão política, do papel do Poder Legislativo e da regionaliza­ção estadual. A segunda apresenta os desafios da gestão das políticas territoriais na ótica federativa, destacando o papel do governo estadual”, contam as organizadoras. A abordagem das políticas de saúde em uma perspectiva meto­dológica multidisciplinar se destaca na coletânea. A proposta é incluir novas modalidades de análise para compreender os processos de implementação de políticas sustentadas no direito universal à saúde. Conheça a Livraria Virtual da Editora Fiocruz.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *