Casa de Oswaldo Cruz abre inscrições para mestrado e doutorado em História das Ciências e da Saúde

Setembro/2015

RobertWegner_peq

Robert Wegner

Estão abertas até 4 de novembro as inscrições para mestrado e doutorado na Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz. O coordenador do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde (PPGHCS), Robert Wegner, responde as três perguntas fundamentais para quem pensa em ingressar num dos cursos.

Qual é o diferencial do programa da casa de Oswaldo Cruz em relação a outros programas de história no Brasil?

Pode-se dizer que a história sempre foi marcada pelo diálogo com outras disciplinas. Na história das ciências e da saúde este diálogo é ainda maior e o nosso programa tem professores qualificados para isso, inclusive pela diversidade das suas áreas de formação, como antropologia, ciência política, sociologia, biologia e medicina. O ponto de encontro desse olhar multidisciplinar é justamente a história, a análise das ciências e da saúde pública em sua historicidade. Por exemplo, para uma pesquisa sobre políticas de saúde na década de 1950, discussões da ciência política ajudam muito.

Já de um ponto de vista mais prático, nós conseguimos montar um sistema de bolsas que possibilita que todos os alunos que não tenham vínculo empregatício venham a ter bolsa durante o curso. Creio que isto também seja um diferencial.

Quais são as principais linhas de pesquisa do programa?

O programa possui três linhas de pesquisa. Uma com enfoque maior nas ciências mesmo, outra em políticas e instituições de saúde e uma terceira dedicada à história da medicina e das doenças. Dentro destas linhas temos os grupos de pesquisa nos quais os docentes, junto com seus orientandos, trabalham, por exemplo, com história da psiquiatria e da loucura, história da assistência, história ambiental e viajantes, relações transnacionais e história global, interpretações do Brasil e história das Ciências Sociais. Vale à pena visitar a página do Programa para conhecer melhor as pesquisas em desenvolvimento. Veja que, como o conhecimento científico, em geral, e o conhecimento na área da saúde, em particular, desempenham um papel central nas sociedades modernas, as pesquisas históricas desenvolvidas no Programa participam intensamente da reflexão acerca da sociedade em que vivemos.

Em que pode trabalhar um historiador da ciência hoje?

O diploma do nosso curso é em história e, portanto, o historiador da ciência pode trabalhar em todas as áreas que um historiador pode atuar, além de outras. Assim, temos profissionais formados por nós que hoje são professores universitários em departamentos de história e aqueles que trabalham em departamentos de medicina ou psicologia, por exemplo. Além disso, a ampliação do mercado de trabalho para o historiador, que pode atuar em museus e arquivos, se reflete fortemente para o historiador da ciência, na medida em que ele pode trabalhar com divulgação científica em museus e centros de ciências.

Mais informações no site do PPGHCS/COC/Fiocruz

Leia artigos de Robert Wegner em HCS-Manguinhos:

Wegner, Robert and Souza, Vanderlei Sebastião de Eugenia ‘negativa’, psiquiatria e catolicismo:embates em torno da esterilização eugênica no Brasil. Mar 2013, vol.20, no.1

Wegner, Robert. Livros do Arco do Cego no Brasil colonial. 2004, vol.11, suppl.1

Wegner, Robert. A crítica da crítica do pensamento político. Dez 2004, vol.11, no.3

Leave a Reply