‘Cabo de guerra entre governo e entidades médicas é prejudicial à saúde da população’

Setembro/2013

Flávia Machado O blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos está coletando visões e opiniões sobre o Programa Mais Médicos, do Ministério da Saúde, que busca suprir com mão-de-obra estrangeira os vazios de assistência na atenção básica da população de centenas de municípios.
Ligia Bahia Foto: Radis/Ensp/Fiocruz

Ligia Bahia
Foto: Radis/Ensp/Fiocruz

Para Lígia Bahia, professora do Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Programa Mais Médicos não enfrenta as desigualdades estruturais em saúde no Brasil. “É hora de se debater a criação de carreiras no SUS para superar o finge que paga e finge que trabalha“, defende Ligia, doutora em Saúde Pública pela Ensp/Fiocruz. Qual a sua crítica ao Programa Mais Médicos?  Considero que tem o mérito de procurar responder a um dos graves problemas do SUS que é o da interiorização de profissionais de saúde. Mas trata-se de um programa baseado literalmente não apenas em medida provisória, mas também em  suportes institucionais  provisórios e que procura escapar de fininho do enfrentamento das mazelas estruturais das desigualdades em saúde no Brasil. O que acha da contratação de médicos estrangeiros, da forma como vem sendo conduzida pelo Governo? Penso que o cabo de guerra entre governo e entidades médicas é prejudicial à saúde da população. De fato, o preconceito e a xenofobia são inaceitáveis. No entanto, é necessário encontrar uma maneira dialogada para a inserção de profissionais de saúde estrangeiros. Ainda que todos os estrangeiros sejam excelentes profissionais, no médio prazo, a não realização de testes de capacitação os deixará inseguros diante das críticas dos colegas brasileiros. Acredita que os médicos estrangeiros, principalmente os cubanos, estejam preparados para atuar em nosso país? Certamente sim. O problema não é de cada médico e sim do sistema como um todo. Como não podemos importar o sistema de saúde cubano, que demonstrou toda sua efetividade, é necessário tratarmos do nosso. No que o país precisa investir para atrair médicos brasileiros para o interior? O que os afasta atualmente? Em planejamento regional, para que o país seja menos desigual não apenas em termos econômicos, mas também no se refere à habitação, transportes, educação, cultura e saúde. É necessário que a saúde seja encarada como uma política de desenvolvimento social e não apenas como apêndice de programas focalizados de combate à miséria. Objetivamente é preciso que as universidades se comprometam com a fixação desses profissionais alternando o padrão de recrutamento e formação de estudantes e estendendo suas atividades no sentido do apoio permanente às equipes que trabalham em áreas mais remotas. Os médicos que se dedicam à carreira pública têm alguma contrapartida com relação à segurança no cargo? O que poderia mudar nesse sentido? As entidades médicas e de outras profissões de saúde demandam a criação de carreiras no SUS. É hora de voltar  a debater o tema com a devida coragem de superar a trágica condição do ‘finge que paga e finge que trabalha’. Leia em História, Ciências, Saúde – Manguinhos: Médicos alemães no Rio Grande do Sul, na primeira metade do século XX: integração e conflito Imigrantes tiveram papel de destaque na prática da medicina e reforçaram a integração, mas a sua presença também desencadeou conflitos. Por René E. Gertz, professor do Departamento de História / Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Leia mais: ‘Mais Médicos’: debate amplia discussão sobre o SUS – Blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos ouviu especialistas. ‘Cabo de guerra entre governo e entidades médicas é prejudicial à saúde da população’ – Entrevista de Ligia Bahia ao blog de HCSM Para presidente do Conselho Médico Chinês, avaliação de competências é ponto chave – Entrevista de Lincoln Chen, fundador da Aliança Mundial pela Força de Trabalho em Saúde, ao blog de HCSM Scheffer: falta de carreira digna desumaniza o SUS – Entrevista de Mário Scheffer ao Cebes. RH na agenda de debates – Carlos Henrique Assunção Paiva comenta a entrevista de Mário Scheffer Mais Médicos: uma vereda para os nossos grandes sertões – Artigo de Reinaldo Guimarães para o site do Cebes. Conselho Deliberativo da Fiocruz lança nota em apoio ao Programa Mais Médicos Julie estudou os médicos cubanos: mortalidade infantil caiu 50% – Entrevista da socióloga norte-americana Julie Feinsilver ao Viomundo.  

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *