As ciências e os saberes indígenas na Companhia de Jesus

Setembro/2014

Tida como reacionária e opositora aos avanços científicos por mais de quatro séculos, a Companhia de Jesus, ordem religiosa criada por Inácio de Loyola no século XVI, começou a ter sua atuação reavaliada a partir dos anos 1990, quando novas pesquisas e a produção acadêmica passaram a destacar o papel dos jesuítas na história intelectual do período moderno e sua influência no conhecimento médico e farmacêutico. Pesquisas recentes afirmam que os jesuítas promoveram avanços científicos consideráveis a partir de sua atuação em regiões da América portuguesa e espanhola.

Eliane Cristina Deckmann Fleck

Eliane Cristina Deckmann Fleck

No artigo “A abordagem historiográfica dos séculos XIX e XX sobre a atuação de médicos e boticários jesuítas na América platina no século XVIII”, publicado na revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos (vol.21 n.2  abr./jun. 2014), Eliane Cristina Deckmann Fleck discute a contribuição da Companhia de Jesus para o pensamento e o desenvolvimento científico na região.

A historiadora, que é professora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), enfoca e compara as posições de quatro autores – o médico Pedro Arata, o naturalista e botânico Moisés Santiago Bertoni e os padres jesuítas Carlos Leonhardt e Guillermo Furlong – em obras escritas entre 1890 e fins de 1950.

As obras analisadas apresentam e discutem o conhecimento médico, farmacêutico e botânico produzido por missionários jesuítas nos séculos XVII e XVIII e avaliam a contribuição dos saberes indígenas para a farmacopeia americana, levando em conta a escrita de catálogos de plantas medicinais e de tratados de medicina e de cirurgia, que estes religiosos fizeram circular nos vários continentes em que atuaram, ao longo do século XVIII.

A incorporação dos conhecimentos indígenas começava com a aprendizagem das línguas indígenas, dos saberes tradicionais e sobre a natureza do entorno das reduções e dos colégios da Companhia de Jesus. Nestes espaços, os missionários passaram a cultivar plantas medicinais e a manipular medicamentos, que eram administrados aos doentes que os procuravam em busca de tratamento e cura. Muitos destes colégios e algumas das reduções contaram também com enfermarias ou hospitais, que eram atendidos por irmãos enfermeiros e cirurgiões. Sabe-se que a primeira botica de Buenos Aires, com despensa de medicamentos e um pequeno herbário de plantas medicinais, pertenceu à Companhia de Jesus.

O contato com os índios fez dos jesuítas conhecedores de métodos curativos de origem indígena. Coleção Hariberto de Miranda Jordão

O contato com os índios fez dos jesuítas conhecedores de métodos curativos de origem indígena. Coleção Hariberto de Miranda Jordão

Além da importância na área médica e botânica, os jesuítas também teriam contribuído para avanços nas áreas da etnologia, história, geografia, cartografia, astronomia e física.

“Apesar da significativa produção dos membros da Companhia de Jesus a respeito da natureza e dos costumes das gentes do Novo Mundo, poucos foram os historiadores que se dedicaram a analisá-la levando em conta seu papel na história intelectual do Renascimento e dos inícios da era moderna. A maior parte da produção historiográfica acerca da ordem jesuíta debruça-se sobre as estratégias de catequese que os missionários empregaram com as populações indígenas, dedicando-se, primordialmente, à análise de sua atuação como religiosos, desvinculando-os de qualquer atividade ou elaboração científica”, afirma a autora.

Leia em HCS-Manguinhos:

A abordagem historiográfica dos séculos XIX e XX sobre a atuação de médicos e boticários jesuítas na América platina no século XVIII – artigo de Eliane Cristina Deckmann Fleck (vol.21 n.2  abr./jun. 2014)

Evidências de medicina mestiça em obra escrita por irmão jesuíta na América meridional do século XVIII – Artigo de Eliane Cristina Deckmann Fleck e Roberto Poletto (vol.19, no.4/Dez 2012)

Como citar este post [ISO 690/2010]:

As ciências e os saberes indígenas na Companhia de Jesus. Blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos. [viewed 28 July 2014]. Available from: http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/as-ciencias-e-os-saberes-indigenas-na-companhia-de-jesus/

No comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Retrospectiva 2014 - [...] As ciências e os saberes indígenas na Companhia de JesusEliane Cristina Deckmann Fleck discute em artigo a contribuição dos jesuítas…
  2. Biblioteca Virtual: documentação indígena mais perto do público - [...] - As ciências e os saberes indígenas na Companhia de Jesus [...]
  3. Mídia internacional coloca em pauta suicídios de indígenas no Brasil - [...] As ciências e os saberes indígenas na Companhia de Jesus – Eliane Cristina Deckmann Fleck discute a contribuição dos jesuítas ao desenvolvimento…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *