Artigo destaca o pioneirismo do Instituto de Ginecologia do Rio de Janeiro no controle do câncer do colo do útero no Brasil

Novembro/2016

O Instituto de Ginecologia (IG), no Rio de Janeiro, foi pioneiro no Brasil na introdução e difusão de técnicas médicas para controle do câncer do colo do útero, em meados do século XX. A instituição tornou-se referência nas ações sobre a doença no período, organizando um modelo específico de diagnóstico que durou até a década de 1970 e particularizou a atuação da medicina brasileira em relação à enfermidade.

moncorvofilho1

A clínica do Instituto de Ginecologia funciona no Hospital Moncorvo Filho desde 1942

O IG foi pioneiro na organização de ações de controle do câncer a partir do “modelo triplo”, que utilizava conjuntamente colposcopia, citologia e biópsia no exame de todas as pacientes atendidas no ambulatório. Com isso, os médicos do instituto conseguiram aumentar as porcentagens de diagnóstico em estágios iniciais de evolução e diminuir o número de mortes. A criação de um modelo próprio de atendimento conferiu à instituição destaque no campo médico, tendo servido de base para a organização de serviços semelhantes em outras regiões do país. O Instituto de Ginecologia também se destacou pela formação direta de profissionais. No artigo “Organização da especialidade médica e controle do câncer do colo do útero no Brasil: o Instituto de Ginecologia do Rio de Janeiro em meados do século XX”, a professora Vanessa Lana, do Departamento de História da Universidade Federal de Viçosa, conta como as ações de controle começaram a ser estruturadas após o médico Arnaldo de Moraes (1893-1961) assumir a cátedra de ginecologia em 1936 e organizar uma clínica ginecológica como espaço de ensino prático na Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro. O ensino prático da ginecologia e sua afirmação como especialidade médica ganharam tônus na década de 1930. Em 1936, com o falecimento do cirurgião Augusto Brandão Filho, a cátedra de clínica cirúrgica que ocupava na Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil foi desmembrada, sendo criada a cadeira de ginecologia, desvinculada da cirurgia.
ArnaldodeMoraes

Arnaldo de Moraes

Na seleção para ocupação da nova disciplina, foi empossado Arnaldo de Moraes, personagem-chave da trajetória do ensino e prática em ginecologia na universidade, que assumiu os trabalhos na Clínica Ginecológica da Universidade, a ela conferindo uma dinâmica focada no atendimento ambulatorial e com ênfase em algumas doenças específicas, como o câncer. A aula inaugural da nova cátedra ocorreu em 2 de setembro de 1936, e a nova clínica foi instalada no Hospital Estácio de Sá, no mesmo ano, com trinta leitos para atendimento. Em 1942, foi transferida para o Hospital Moncorvo Filho, onde funciona até os dias atuais. Leia em HCS-Manguinhos: Organização da especialidade médica e controle do câncer do colo do útero no Brasil: o Instituto de Ginecologia do Rio de Janeiro em meados do século XX, artigo de Vanessa Lana (vol.23, no.3, set 2016) Leia também: Médicos, viagens e intercâmbio científico na institucionalização do combate ao câncer no Brasil (1941-1945). Artigo de Rômulo de Paula Andrade e Vanessa Lana (vol.17, supl.1, Jul 2010) Dos gabinetes de ginecologia às campanhas de rastreamento: a trajetória da prevenção ao câncer de colo do útero no Brasil, artigo de Luiz Antonio Teixeira (vol.22 no.1 jan./mar. 2015). História do Câncer – atores, cenários e políticas públicas, entrevista com Luiz Antonio Teixeira, coordenador do projeto História do Câncer – Casa de Oswaldo Cruz Câncer no século XX: ciência, saúde e sociedade, edição especial de HCS-Manguinhos (Vol. 17, supl. 1, jul. 2010) Saiba mais: Projeto História do Câncer – Casa de Oswaldo Cruz Câncer: estudos sobre mitos, crenças e comportamentos permitem aprimorar intervenções – O oncologista Ronaldo Corrêa Ferreira da Silva defende a formação de grupos de pesquisa interdisciplinares nas instituições de saúde. E no blog de HCS-Manguinhos: Vacina contra HPV para meninos: boa notícia traz dúvidas e questões Para o pesquisador Luiz Antonio Teixeira, da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, a notícia é boa, mas deve ser analisada sob vários aspectos Inca lança a ‘Estimativa 2016 de incidência de câncer no Brasil’ No Dia Mundial contra o Câncer, governo divulga campanha “Nós podemos. Eu posso” e ONU enfatiza a necessidade de controle do câncer de colo de útero Fiocruz e Inca delineiam trajetória do câncer no Brasil Projeto ‘História do Câncer – Atores, Cenários e Políticas Públicas’: pesquisas, livros e exposições sobre a doença conquistam espaço e tem como objetivo contribuir para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) Artigo discute a persistência do câncer de colo de útero no Brasil Quanto menos estudo, maior o risco, explica Luiz Antonio Teixeira. Pesquisadora ‘pop’ de MG tem tese com mais de 35 mil acessos Ana Barcelos escreveu artigo para o doutorado na UFTM, em Uberaba. Docente não sabe explicar sucesso de artigo sobre exame de Papanicolau.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *