Leprosários e preventórios em Goiás: os filhos dos doentes de 1920 a 1962

Junho/2016

Nas primeiras décadas do século XX, no estado de Goiás, no Centro-Oeste do Brasil, as famílias dos doentes de lepra transformam-se num problema social, e a sua assistência, num problema político. Decreto de 1923 previa a notificação compulsória e o isolamento dos doentes, a vigilância sanitária dos suspeitos e a segregação imediata dos filhos nascidos de pais com lepra.

Na década de 1940, com a construção de instituições, os doentes estavam sujeitos ao isolamento em leprosários, e seus filhos, vistos como possíveis agentes de transmissão, à internação em preventórios. A promessa era de que, longe do repúdio da sociedade, a criança teria assistência médica, frequentaria escola técnico-profissional e seria educada, já que as escolas públicas proibiam a entrada de crianças que convivessem com pessoas portadoras de doenças infectocontagiosas.

No artigo Filantropia e política de assistência às famílias de doentes de lepra em Goiás, 1920-1962, publicado nesta edição de HCS-Manguinhos (vol.23, n.2, abr./jun. 2016), Leicy Francisca da Silva, do Departamento de História da Universidade Estadual de Goiás, analisa os discursos médicos e políticos da época e como eles desembocam na organização da Sociedade de Assistência ao Lázaro e Defesa Contra a Lepra e na edificação do Preventório Afrânio de Azevedo em Goiânia, capital do estado.

criancas_prevent

Crianças no Preventório Afrânio de Azevedo, em Goiânia.
Foto: Heráclides César de Souza Araújo, em “História da Lepra no Brasil”, Imprensa Nacional, 1946

preventorio_goiania

Preventório Afrânio de Azevedo em Goiânia.
Foto: Heráclides César de Souza Araújo, em “História da Lepra no Brasil”, Imprensa Nacional, 1946

Leia em HCS-Manguinhos:

Filantropia e política de assistência às famílias de doentes de lepra em Goiás, 1920-1962, artigo de Leicy Francisca da Silva (vol.23, n.2, abr./jun. 2016)

Leia também:

Carvalho, Keila Auxiliadora. Discussões em torno da reconstrução do significado da lepra no período pós-sulfônico, Minas Gerais, na década de 1950. Abr 2015, vol.22, no.2

Mellagi, André Gonçalves and Monteiro, Yara Nogueira O imaginário religioso de pacientes de hanseníase: um estudo comparativo entre ex-internos dos asilos de São Paulo e atuais portadores de hanseníase. Jun 2009, vol.16, no.2 

Castro, Selma Munhoz Sanches de and Watanabe, Helena Akemi Wada Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: memória de idosos. Jun 2009, vol.16, no.2

Leandro, José Augusto. A hanseníase no Maranhão na década de 1930: rumo à Colônia do Bonfim. Jun 2009, vol.16, no.2 

Santos, Vicente Saul Moreira dos.Pesquisa documental sobre a história da hanseníase no Brasil. 2003, vol.10, suppl.1 

Benchimol, Jaime Larry et al. Luta pela sobrevivência: a vida de um hanseniano através da correspondência com Adolpho Lutz. 2003, vol.10, suppl.1

Maciel, Laurinda Rosa et al. Memories and history of Hansen’s disease in Brazil told by witnesses (1960-2000). 2003, vol.10, suppl.1

Moreira, Tadiana Alves. Panorama sobre a hanseníase:quadro atual e perspectivas. 2003, vol.10, suppl.1 

Sarno, Euzenir Nunes. A hanseníase no laboratório. 2003, vol.10, suppl.1 

Joseph, D. George. “Essentially Christian, eminently philanthropic”: The Mission to Lepers in British India. 2003, vol.10, suppl.1

Levison, Julie H. Beyond quarantine: a history of leprosy in Puerto Rico, 1898-1930s. 2003, vol.10, suppl.1

Obregón, Diana. The anti-leprosy campaign in Colombia:the rhetoric of hygiene and science, 1920-1940. 2003, vol.10, suppl.1 

White, Cassandra. Carville and Curupaiti: experiences of confinement and community. 2003, vol.10, suppl.1 

Monteiro, Yara Nogueira. Prophylaxis and exclusion:compulsory isolation of Hansen’s disease patients in São Paulo. 2003, vol.10, suppl.1

Oliveira, Maria Leide Wand-del-Rey de et al. Social representation of Hansen’s disease thirty years after the term ‘leprosy’ was replaced in Brazil. 2003, vol.10, suppl.1

Cueto, Marcos and Puente, José Carlos de la. Vida de leprosa: the testimony of a woman living with Hansen’s disease in the Peruvian Amazon, 1947. 2003, vol.10, suppl.1

Pandya, Shubhada S. The First International Leprosy Conference, Berlin, 1897: the politics of segregation. 2003, vol.10, suppl.1

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

Uma breve história da lepra
Livro bilingue está disponível para download gratuito

Pesquisadora investiga por que a hanseníase continua endêmica no Brasil
Roseli Martins Tristão Maciel, da Universidade Estadual de Goiás, apresentou trabalho no workshop sobre doenças tropicais realizado na Fiocruz.

Ressignificação da lepra é tema de artigo em HCS-Manguinhos
Keila Auxiliadora Carvalho analisa o debate nas páginas dos Arquivos Mineiros de Leprologia na década de 1950

A saúde no contexto global
Primeira edição de HCS-Manguinhos de 2015 traz os dossiês ‘Bioética e diplomacia em saúde’ e ‘Saúde internacional/saúde global’
 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *