Arquitetura hospitalar Brasil-Portugal é tema de livro da Coleção História e Saúde, da Editora Fiocruz

Janeiro/2019

O diálogo entre pesquisadores brasileiros e portugueses sobre arquitetura, urbanismo, patrimônio cultural e saúde é a temática do livro Hospitais e Saúde no Oitocentos: diálogos entre Brasil e Portugal, da editora Fiocruz, lançado em 13 de dezembro de 2018. A obra faz parte da Coleção História e Saúde, que tem o objetivo de fortalecer a área da história e das ciências da saúde no Brasil. Organizada pelo arquiteto e urbanista Renato Gama-Rosa, pesquisador da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), e Cybelle Miranda, pesquisadora da Universidade Federal do Pará (UFPA), a publicação é resultado de estudos realizados por pesquisadores das duas instituições, além da Universidade de Lisboa, da Universidade Lusíada de Lisboa e do Município de Fafe, com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Divido em sete capítulos, o livro aborda o processo de transferência de modelos estéticos no sentido Brasil-Portugal, a partir da segunda metade do século 19, período em que portugueses que viviam no país retornaram as suas localidades de origem, contribuindo para ampliação da rede de assistência das Misericórdias no Norte português. A publicação apresenta também a influência da arquitetura portuguesa em edifícios localizados no Rio de Janeiro, capital imperial, e em Belém, no Pará, e mostra que hospitais brasileiros e portugueses construídos no século 19 seguem, em sua maioria, o modelo de arquitetura assistencial existente à época, associados às funções das entidades beneméritas, como as Misericórdias e as Beneficências Portuguesas. Os edifícios estudados revelam que as trocas culturais entre os países foram baseadas em modelo e linguagem arquitetônica que resultaram no classicismo imperial brasileiro, aplicado aos hospitais brasileiros e reproduzidos em Portugal, que refletiam os princípios de progresso, higiene e racionalidade. O livro custa R$ 40 e está a venda na livraria da Editora Fiocruz. Fonte: Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz Sumário: Prefácio Apresentação 1. Edifícios da Saúde no Rio de Janeiro Oitocentista Inês El-Jaick Andrade, Renato da Gama-Rosa Costa, Éric Alves Gallo 2. Hospitais na Belém Oitocentista: classicismo e diálogo entre matrizes luso-brasileiras Cybelle Salvador Miranda 3. Da Instituição Asilar ao Movimento Antimanicomial: a reconstituição da memória do Hospital Juliano Moreira do Pará Emanuella da Silva Piani Godinho, Cybelle Salvador Miranda 4. Arquitetura da Saúde como Patrimônio: Hospital D. Luiz I da Benemérita Sociedade Portuguesa Beneficente do Pará Cibelly Alessandra Rodrigues Figueiredo 5. A Casa da Misericórdia no Contexto da Arquitetura Portuguesa da Saúde na Centúria do Oitocentos em Portugal Joana Balsa de Pinho, Fernando Grilo 6. O Hospital da Misericórdia de Fafe e a Contribuição da Benemerência Brasileira em Portugal no Século XIX Daniel Bastos 7. A Arquitetura Assistencial em Portugal no Início do Século XX: o Sanatório de Sant’Ana Maria João Bonina, Fernando Grilo Leia em HCS-Manguinhos: Entre a engenharia militar e a arquitetura médica: representações de Alexandre Rodrigues Ferreira sobre a cidade de Belém no final do século XVIII, artigo de Ermelinda Moutinho Pataca (vol.25, no.1, jan./mar. 2018) Em diferentes escalas: a arquitetura do Hospital-Colônia Rovisco Pais sob o olhar do médico Fernando Bissaya Barreto, artigo de Sandra Xavier. Set 2013, vol.20, no.3 Apontamentos para a arquitetura hospitalar no Brasil: entre o tradicional e o moderno. artigo de Renato Gama-Rosa Costa. Dez 2011, vol.18, suppl.1 design e a promoção da saúde nos laboratórios de pesquisa da Fiocruz , artigo de Elio Grossman, Inesita Soares de Araujo e Tania C. Araújo-Jorge, Jun 2009, vol.16, no.2 Direções e traçados da assistência hospitalar no Rio de Janeiro (1923-31), artigo de Gisele Sanglard e Renato da Gama-Rosa Costa . Abr 2004, vol.11, no.1 Salas de cinema art déco no Rio de Janeiro: a conquista de uma identidade arquitetônica (1928-41), artigo de Renato da Gama-Rosa Costa. Fev 1999, vol.5, no.3

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *