Aparelho obsoleto, história viva

Março/2016

aparelhomalaria

Máscara antigás. Fonte: Coleção Malária, Museu da Saúde

O avanço das tecnologias da saúde e a reestruturação de serviços fizeram com que, em pouco tempo, instrumentos, aparelhos e documentos se tornassem obsoletos para as práticas médicas contemporâneas. Deixando de ter uma utilidade prática das instituições, esses objetos ganharam um novo estatuto – o de testemunhos de práticas, técnicas e saberes. Conscientes disso, alguns serviços de saúde investiram na preservação do equipamento desatualizado, considerado agora de interesse histórico.

O Museu da Saúde, em Lisboa, Portugal, tem um duplo conceito – o de expor as suas coleções em espaços físicos e o de divulgar seu acervo e atividades pela internet, ampliando o alcance do conhecimento. No artigo “O Museu da Saúde em Portugal: um espaço físico, um espaço virtual“, publicado na atual edição de História, Ciências, Saúde-Manguinhos (vol.22, supl., dez 2015), são apresentadas cinco coleções – Tuberculose, Urologia, Psicologia, Medicamento e Malária. O desenvolvimento da atividade museológica no espaço de um laboratório nacional, o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), também é discutido pelos autores – a museóloga Inês Cavadas de Oliveira, a coordenadora do museu, Helena Rebelo de Andrade, e o presidente do Insa, José Pereira Miguel. Eles salientam as questões dos espaços de reserva e de exposição, o processo de inventário e as atividades de divulgação, atendendo aos desafios inerentes a uma atividade desenvolvida num espaço não museológico.

Um portal disponibiliza o inventário on-line do acervo do museu e de instituições parceiras. O in web permite efetuar diferentes tipos de pesquisas e é alimentado pelas bases de dados do Museu da Saúde, da Cruz Vermelha Portuguesa, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) e do Museu da Vida (Brasil), possibilitando a divulgação da atividade museológica de várias instituições ao público numa única plataforma.

Leia em HCS-Manguinhos:

O Museu da Saúde em Portugal: um espaço físico, um espaço virtual, artigo de Inês Cavadas de Oliveira, Helena Rebelo de Andrade e José Pereira Miguel (vol.22, supl., dez 2015)

Visite o in web, o Museu da Saúde na internet

Leave a Reply