A saga de um cientista alemão preso no Brasil às vésperas da Segunda Guerra

Fevereiro/2018

André Julião | El País – Brasil

Diz o senso popular que fazemos planos para a vida, mas a vida se encarrega de mudar as rotas planejadas. O cientista alemão Helmut Sick, estudioso de aves, provou dessas armadilhas do destino quando chegou ao Brasil às vésperas da Segunda Guerra Mundial estourar.

Em 1939, aos 29 anos, dois após concluir seu doutorado sobre a “estrutura funcional da pena das aves”, Heinrich Maximilian Friedrich Helmut Sick desembarcou no Rio de Janeiro, como assistente do ornitólogo Adolf Schneider numa expedição do Museu de História Natural da Universidade de Berlim. Schneider, que tinha uma filha vivendo no Brasil, havia conseguido autorização para coletar aves no Estado do Espírito Santo, a fim de enriquecer o acervo da instituição em que ele e Sick trabalhavam. Apenas dois meses depois, porém, estourou a Segunda Guerra na Europa e os ornitólogos se viram impossibilitados de voltar para casa.

Leia a reportagem completa no El País – Brasil:

A saga de um cientista alemão preso no Brasil às vésperas da Segunda Guerra

Leia em HCS-Manguinhos:

Dossiê Brasil – Alemanha: relações médico-científicas

Leia no Blog de HCS-Manguinhos:

Germanofilia de Rocha Lima marcou sua ‘persona’ científica
Para André Felipe Cândido da Silva, o cientista não ficou famoso por causa da sua ligação com a medicina germânica inclusive durante o nazismo.

Rocha Lima: germanofilia e intercâmbio científico
Promotor das relações médico-científicas entre Brasil e Alemanha na primeira metade do século XX, ele teve sua postura política questionada

Pai da eugenia no Brasil ficou obscuro na história
Defensor da ‘higiene racial’, o médico Renato Kehl assumiu a propaganda eugênica como missão política e intelectual entre 1917 e 1940

Se é Bayer…
Empresa alemã usava periódicos para promover seus produtos entre médicos e farmacêuticos brasileiros na primeira metade do século XX

Os inimigos invisíveis do império alemão
Imprensa em língua alemã ‘combatia’ doenças tropicais em colônias na África e no Brasil

Brasil: paraíso ou inferno
No artigo “Insalubridade, doenças e imigração: visões alemãs sobre o Brasil”, Karen Macknow Lisboa investiga escritos de viajantes alemães envolvidos com a questão imigratória desde o contexto do Império alemão até a ascensão do nazismo e o III Reich.

Cooperação científica do Brasil com a França e a Alemanha entre 1919 e 1940 é tema de estudo
Magali Romero Sá investiga diferenças nos relacionamentos com os dois países

Pontes continentais?
As teorias do cientista alemão Hermann von Ihering são discutidas em artigo de Maria Margaret Lopes e Irina Podgorny

Diplomatas no laboratório
Projeto investiga o intercâmbio científico entre o Brasil e a Alemanha nazista

Leave a Reply