A história da medicina numa perspectiva feminista

Março/2016

Vivian Mannheimer | Blog HCS-Manguinhos

Teresa Ortiz-Gómez

Teresa Ortiz-Gómez

A história das mulheres na medicina começou a ser escrita no final do século XIX, influenciada pelo interesse que emerge na academia nos anos 1970 sobre temas como o voto feminino e a sexualidade, em conexão com os movimentos de direitos das mulheres à contracepção e ao aborto.

Segundo a pesquisadora Teresa Ortiz-Gómez, da Universidade de Granada, Espanha, o feminismo trouxe à história o interesse em se estudar as ideias médicas de todas as épocas sobre o corpo feminino e sobre as mulheres nos diversos âmbitos, como profissional, doméstico, político e biomédico.

Com mais de 30 anos dedicados à história das mulheres e da medicina com uma perspectiva feminista, Teresa hoje dirige o projeto Contracepção, sexualidade e saúde: memórias de vida e práticas de saúde na Espanha durante o regime de Franco e a transição democrática.

Em entrevista exclusiva, a pesquisadora analisou as contribuições do feminismo para a história da medicina e do diálogo entre os dois campos.

Leia a entrevista no Blog de HCS-Manguinhos em espanhol.

Leia ainda no blog de HCS-Manguinhos:

Epidemia de zika remete à rubéola e à discussão sobre aborto como ato médico
Ilana Löwy, pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde e de Pesquisa Médica de Paris, conta como os surtos de rubéola estimularam a descriminalização do aborto na Europa

Tsunami feminino
A escritora Rosiska Darcy de Oliveira, a filósofa Carla Rodrigues e a historiadora Begonha Bediaga participaram do painel “Os diferentes tempos do feminino”, no Rio de Janeiro

Leia em HCS-Manguinhos:

Silva, Marinete dos Santos. Reprodução, sexualidade e poder: as lutas e disputas em torno do aborto e da contracepção no Rio de Janeiro, 1890-1930. Dez 2012, vol.19, no.4

Benchimol, Jaime L. et al. Bertha Lutz e a construção da memória de Adolpho Lutz. Abr 2003, vol.10, no.1

Lopes, Maria Margaret. Proeminência na mídia, reputação em ciências: a construção de uma feminista paradigmática e cientista normal no Museu Nacional do Rio de Janeiro. 2008, vol.15

 
 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *