Epidemias e colapso demográfico no México e Peru do século XVI

Ricardo Waizbort e Filipe Porto fazem leitura crítica da literatura histórica e discutem a importância de doenças como varíola e sarampo

De Jane Marcet a António Girão: conversas sobre química, traduções e gênero no século XIX

Isabel Marília Peres, da Universidade de Lisboa, e Sérgio Rodrigues, da Universidade de Coimbra, Portugal, descobriram que um livro importante da divulgação de química, publicado em 1806, foi adaptado para o português em 1834 através de uma adaptação em francês de 1825.

Tabaco no Brasil: na contramão das perspectivas globais

De acordo com pesquisadores da Fiocruz, a trajetória bem-sucedida no controle do tabagismo no Brasil é oposta ao argumento de migração do problema do tabaco dos países desenvolvidos para o sul do globo.

Geógrafos anarquistas por uma ciência para a justiça social

As ideias de Elisée Reclus e Pëtr Kropotkin nesta edição de HCS-Manguinhos

Doenças tropicais e negligenciadas serão tema de eventos em Manaus em novembro

Com o tema “Medicina e ambiente – articulações e desafios no passado, presente e futuro”, acontecem de 5 a 9 de novembro de 2018, em Manaus/AM, o 3º Encontro Luso-Brasileiro de História da Medicina Tropical e o 23º Congresso Brasileiro de História da Medicina.

A ‘profissão de fé’ dos ‘homens da ciência’ contra as secas

No artigo O mandacaru não floresceu: a ciência positivista a serviço do combate à seca de 1877-1879 (HCS-Manguinhos, v. 25, n. 2, abr./jun. 2018), Paulo Cesar Gonçalves, da Unesp, analisa as propostas científicas que ambicionavam solucionar o problema das secas através da intervenção do engenho humano

Pesquisa traça 2 mil anos da história das chuvas no Brasil

Estudo mostra que nos séculos 17 e 18 o clima do sudoeste do Brasil era mais úmido e o do Nordeste mais seco que o atual. O estudo foi feito a partir da análise de rochas de cavernas em Mato Grosso do Sul e em Goiás.

Saneamento e urbanização como pauta da saúde: o caso de Eliasz Cynamon

Leia em HCS-Manguinhos